Rendimento mínimo vital entra em vigor em Espanha

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Rendimento mínimo vital entra em vigor em Espanha
Direitos de autor  Solicitante del Ingreso Mínimo Vital

Mais do que uma prestação económica, trata-se de uma política social para ajudar as pessoas vulneráveis a viver melhor. É desta forma que o governo espanhol descreve o Rendimento Mínimo Vital, apoio que oscila entre os 462 e os 1015 euros mensais e que começa a ser atribuído esta sexta-feira.

Mónica Yandún tem uma filha com incapacidade física superior a 33% e é uma das requerentes, caso o pedido seja aprovado a ajuda de cerca de 1000 euros anuais dará lugar a um rendimento a rondar os 700 euros por mês.

Indisponível para trabalhar para poder tratar da filha, Mónica Yandún queixa-se que as despesas médicas são demasiadas e que o dinheiro não chega ao fim do mês.

A situação está longe de ser um caso isolado. Na Cáritas multiplicam-se os pedidos não só de alimentos mas também de ajuda com os trâmites burocráticos para pedir o rendimento mínimo.

Rocío Jiménez Daza é voluntária na instituição e explica que acabam por ajudar no pedido uma vez que parte dos requerentes está há anos sem trabalhar e nem sequer tem correio eletrónico ou computador.

Claudia e Santos Illera chegaram recentemente a Espanha e as poupanças que trouxeram da Venezuela já se esgotaram. Vivem em casa de um familiar e a idade já se tornou um obstáculo na procura de emprego. Com uma filha menor a seu cargo, a medida do executivo é bem vida.

Para a venezuelana, o novo rendimento terá como destino prioritário a alimentação mas terão também de comprar novas roupas para a filha que sejam adequadas ao inverno em Espanha.

O objetivo do rendimento mínimo vital é acabar com a pobreza que já existia e que foi agravada pela pandemia, como o provam estas filas de pessoas à espera de receber alimentos. Segundo o governo, a medida chegará a mais de 850 mil lares para benefício de dois milhões e trezentas mil pessoas.