Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de segunda-feira, 29 de junho

O monge etíope Tilahun Woldemichael, que se crê ter 114 anos, sobreviveu ao novo coronavírus
O monge etíope Tilahun Woldemichael, que se crê ter 114 anos, sobreviveu ao novo coronavírus   -   Direitos de autor  AP Photo/Mulugeta Ayene
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia já infetou mais de 10,1 milhões de pessoas em pelo menos 188 países, à data de hoje.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, este novo coronavírus estará ligado a mais de 502 mil mortos. Mais de 5,1 milhões de pessoas já recuperaram da doença provocada pelo SARS-CoV-2.

Acompanhe aqui as últimas notícias:

16h00 (CET) FMI prevê quase 40 milhões a caírem em pobreza extrema em África

O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou hoje a previsão de crescimento para a África subsaariana, antecipando uma recessão de 3,2%, atirando quase 40 milhões de pessoas para a pobreza extrema e anulando dez anos de desenvolvimento.

"A economia regional deve contrair-se 3,2%, o que é 1,6 pontos percentuais pior que o projetado em abril, e mostra uma redução da previsão de crescimento em 37 das 45 economias, e em termos nominais o PIB da região vai ser 243 mil milhões de dólares menor que o projetado em outubro de 2019", lê-se na atualização das Previsões Económicas para a África subsaariana, hoje divulgadas em Washington.

A atualização mostra a severidade da pandemia da covid-19 e assume que a situação é pior e a recuperação será mais lenta do que os analistas do FMI tinham antecipado em abril, quando estimavam um crescimento económico negativo de 1,6%, já assim o mais profundo das últimas décadas.

15h30 (CET) Portugal regista mais quatro mortos e 266 casos confirmados

Portugal regista hoje mais quatro mortes causadas pela covid-19 do que no domingo e mais 266 infetados, cerca de 85% dos quais na Região de Lisboa e Vale do Tejo, divulgou hoje a Direção-Geral da Saúde.

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS, o número de mortos relacionadas com a covid-19 ascende hoje a 1.568 pessoas enquanto os casos confirmados desde o início da pandemia totalizam 41.921 infetados.

15h00 (CET) Irão regista maior número de mortos num só dia desde início da pandemia

As autoridades sanitárias do Irão anunciaram hoje a morte de 162 pessoas por covid-19 nas últimas 24 horas, o número mais elevado de vítimas mortais da doença num só dia registado no país desde o início da pandemia.

Até ao momento o número de mortos mais elevado registado num só dia no Irão tinha sido 158, no início do mês de abril.

"Este aumento é o reflexo do nosso desempenho em termos gerais: quer em relação à reabertura quer no que diz respeito aos procedimentos sanitários", lamentou hoje Sima Sadat Lari, porta-voz do Ministério da Saúde.

O Irão é o país do Médio Oriente mais afetado pela pandemia do novo coronavírus com 10.670 mortos e 225.205 casos de contágio.

11h50 (CET) México soma mais 267 mortes e 4 mil infeções

O México anunciou hoje o registo de mais 267 mortes e 4 mil infetados no quadrod a epidemia de Covid-19.

O subsecretário de Prevenção e Promoção da Saúde sublinhou o abrandamento da doença no país, onde o balanço total regista agora quase 217 mil casos confirmados, incluindo mais de 26 mil mortes.

11h45 (CET) Macau vendeu mais de 90 milhões de máscaras

Cerca de 92 milhões de máscaras racionadas foram vendidas em Macau desde o início da pandemia, no final de janeiro, divulgaram hoje as autoridades do território.

De acordo com as informações divulgadas hoje durante a conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da covid-19, em pouco mais de uma semana foram vendidas 4,7 milhões de máscaras.

A venda racionada de máscaras começou há cerca de cinco meses, no dia 24 de janeiro, tendo sido uma das primeiras medidas do Governo de Macau para travar a propagação da covid-19, justificada pela falta de oferta no mercado mundial.

11h40 (CET) Equipa do Estrela Vermelha regista contágios após jogos com público

O clube de futebol Estrela Vermelha, da Sérvia, anunciou mais um caso de Covid-19. Desta vez foi um dos diretores e o contágio poderá ter acontecido no decorrer do dérbi contra o Partizan, ao qual assistiram cerca de 25 mil pessoas.

Na semana passada, o clube tinha revelado a existência de cinco casos positivos entre o plantel.

11h30 (CET) Procura de equipamento pessoal de proteção aumenta nos Estados Unidos

A procura de equipamento pessoal de proteção (PPE) estão a aumentar nos Estados Unidos, o país mais afetado pela pandemia e onde a propagação continua a alastrar intensamente.

Os preços de PPE estão a acompanhar a procura, noticia o jornal britânico The Guardiam numa altura em que em Portugal as empresas de fabrico de equipamento de proteção contra a Covid-19 se queixam da falta de procura.

11h25 (CET) República Checa regista mais de 300 novos casos de infeção

A República Checa registou o maior volume de novos casos desde o início de abril ao somar mais 305 infeções. O governo refutou a ocorrência de uma eventual segunda vaga da epidemia e justificou o aumento com um surto ocorrido numa pequena região mineira no leste do país.

11h20 (CET) Sentimento económico recupera na zona euro e na União Europeia

O sentimento económico recuperou cerca de 30% das quebras de março e abril, devidas à pandemia da covid-19, tendo registado em junho uma subida mensal recorde na zona euro e União Europeia (UE), segundo dados da Comissão Europeia.

Em junho, o sentimento económico aumentou 8,2 pontos para os 75,7 face a maio na zona euro e 8,1 pontos para os 74,8 na UE, segundo dados hoje divulgados pela Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, as subidas mensais mais acentuadas registadas até agora em ambas as áreas.

11h15 (CET) África regista mais 11 mil infeções e 173 mortes

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana anunciou hoje o registo de mais de 11.104 infeções e 173 mortes no quadro da pandemia no continente.

No Global, o CDC Africa soma agora mais de 382 mil casos confirmados de Covid-19, incluindo 182 mil pessoas recuperadas e quase 9700 mortes.

O Egito, o país africano com mais vítimas mortais, contabiliza hoje 2.789 mortos e 65.188 casos de infeção, seguindo-se a África do Sul e depois a Argélia, com 897 vítimas mortais e 13.273 infetados.

Entre os cinco países mais afetados, está também a Nigéria, com 565 mortos e 24.567 infetados, e o Sudão, com 572 mortes, apesar de ter um número de infeções mais reduzido (9.257).

Quanto aos países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infeções e mortes, com 1.614 casos e 21 vítimas mortais, de acordo com os dados mais recentes das autoridades locais e do África CDC.

Cabo Verde tem 1.155 infeções e 12 mortos, enquanto Moçambique conta 859 doentes infetados e cinco mortos.

São Tomé e Príncipe contabiliza 713 casos e 13 mortos e Angola tem 267 casos confirmados de covid-19 e 11 mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tem 2.001 casos e mantém 32 mortos, segundo o África CDC.

CDC Africa
Atualizado a 29 de junho de 2020CDC Africa

10h30 (CET) Estado australiano de Victoria regista aumento de novos casos

O estado de Victoria, na Austrália, anunciou hoje o registo de 75 novos casos de infeção, um dos maiores agravamentos diários desde o início da pandemia e já há duas semanas que tem vindo a somar dezenas de pessoas infetadas ao quadro da covid-19.

Também o estado da Austrália do Sul, que estavam sem registar casos há cerca de um mês, voltou a ter um pequeno ressurgimento com três novos casos. No país já se discute a possibilidade de estar a começar uma segunda vaga pandémica.

A Austrália soma 7.767 casos confirmados, incluindo 104 mortes e mais de 7 mil pessoas recuperadas.

10h15 (CET) Tailândia autoriza reabertura de bares

O Governo da Tailândia anunciou a autorização para a reabertura de bares depois de ter registado cinco semanas sem contágios comunitários.

Os estabelecimentos de entretenimento vão poder funcionar até à meia noite, já a partir de quarta-feira, desde que garantam dois metros de distância entre as mesas. O consumo de álcool vai ser controlado para evitar eventuais desleixos perante as regras ainda vigentes.

Estrangeiros com visto de trabalho, residência ou familiares na Tailândia vão poder entrar no país, mas têm de cumprir uma quarentena de 14 dias.

10h10 (CET) OMS reforça capacidade de diagnóstico em Moçambique

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vai hoje reforçar a capacidade de diagnóstico de covid-19 em Moçambique com a entrega de uma nova máquina de testes em laboratório, anunciou a organização.

"À semelhança dos outros países, Moçambique regista um aumento do número de casos de covid-19", refere a OMS, pelo que "o reforço da capacidade de diagnóstico do novo coronavírus continua a ser uma das intervenções importantes para conter a propagação da doença".

09h50 (CET) Rússia soma mais 6.700 novas infeções e 93 mortes

A Rússia anunciou hoje ter adicionado ao quadro da epidemia mais 6.719 novas infeções e 93 mortes. Nos valores globais, o país some agora 541.156 casos confirmados de Covid-19, incluindo 9.166 óbitos.

09:40 (CET) Boris Johnson admite "desastre" no Reino Unido

O primeiro-ministro do Reino Unido admitiu hoje que a pandemia "tem sido um desastre" para o país.

"Não vamos minimizar as nossas palavras. Isto tem sido um absoluto pesadelo e o país tem atravessado um profundo choque. Mas é nestes momentos que encontramos a oportunidade para mudar e fazer as coisas melhor. Nós queremos mesmo muito construir melhor, fazer diferente, investir em infraestruturas, nos transportes, na banda larga..." afirmou Boris Johnson, em entrevista à Times Radio, admitindo a realização de um inquérito à resposta do Governo à pandemia, mas mais tarde.

09h25 (CET) China isola 400 mil pessoas devido a surto

A China voltou a isolar uma comunidade devido a um novo surto de Covid-19 no país onde terá surgida a pandemia. Pelo menos 400 mil pessoas estarão retidas numa cerca sanitária na região de Anxin, peto de Pequim, na província de Hebei.

A china registou hoje 12 novos casos de infeção.

08h40 (CET) Índia regista recorde diário de infeções

A Índia registou 19.459 novas infeções por coronavírus desde domingo, um novo recorde, no momento em que vários estados reimpuseram bloqueios parciais ou totais para conter a propagação da covid-19.

A Índia identificou quase 100 mil casos na semana passada, informou o Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, o país identificou 548.318 casos, tornando-se no quarto mais afetado do mundo, depois dos Estados Unidos, Brasil e Rússia.

Já o número total de mortos na Índia é agora de 16.475.

08h30 (CET) Taxa de desemprego em Macau sobe com a pandemia

A taxa de desemprego de Macau entre março e maio fixou-se nos 2,4%, uma ligeira subida devido à crise causada pela pandemia da covid-19, indicaram no domingo as autoridades do território.

A população desempregada de março a maio totalizou 9.700 pessoas, mais 800 do que nos meses de fevereiro a abril, explicou em comunicado a Direção dos Serviços de Estatística e Censos

08h20 (CET) Parque da Disney em Tóquio reabre quarta-feira

O Parque de diversões da Disney em Tóquio, capital do Japão, está a ultimar os preparativos para reabrir quarta-feira após a suspensão da atividade devido à pandemia. A administração vai reduzir a lotação do parque para metade e recomenda aos visitantes o uso de máscara, que não é obrigatória se houver distanciamento devido ao calor previsto na região.

O parque temático da Nintendo, que tinha a inauguração prevista para este verão, decidiu adiar a abertura para o próximo ano devido à Covid-19, noticia o jornal Japan Times.

Tóquio tem vindo a registar um ritmo diário de novas infeções acima da meia centena, tendo as autoridades de saúde registado 60 este domingo.

08h00 (CET) Novo pedido para suspensão ou perdão de dívida dos países mais pobres

Secretário-geral da Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico (OEACP) também defende uma suspensão ou perdão de dívida aos países mais pobres, muitos dos quais afetados pela pandemia da covid-19 em simultâneo com outras crises.

“É a primeira vez que os países da OEACP estão afetados por uma dupla crise: a covid-19 não vem só, a covid implicou paragem das economias, paragem da produção, e houve mesmo países que passaram por crise alimentar, em que não tiveram o que comer”, salienta Georges Chikoti, em entrevista à Lusa, em Bruxelas.

Outras notícias do dia:

  • Reino Unido divulga hoje a lista de países que serão incluídos nos primeiros “corredores aéreos” com o Reino Unido a partir do início de julho, havendo ainda dúvidas quanto à inclusão de Portugal. No sábado, a estação pública britânica BBC e o jornal Telegraph davam como certa a inclusão de Portugal na lista dos destinos turísticos que obrigam a quarentena de 14 dias no regresso a casa;

  • Brasil é o segundo país do mundo mais afetado pela pandemia. De acordo com o levantamento de um consórcio de imprensa junto das secretarias estaduais de Saúde, o maior país da América do Sul registou mais 555 mortes desde sábado e mais 29.313 infeções, chegando agora aos 1,34 milhões de casos confirmados, incluindo 57.658 mortes. Os números do Ministério da Saúde referem 1,34 milhões de casos (+30.476), incluindo 57.622 mortes (+552) e 734 mil pessoas recuperadas

  • Estados Unidos continuam a ser, de longe, o país mais afetado pelo SARS-CoV-2, com mais de 2,5 milhões de infeções diagnosticadas e quase 126 mil mortos. Desde sábado, a Universidade Johns Hopkins registaram mais 288 mortes e mais de 38 mil infetados por Covid-19. Os números oficiais do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças refere 2,5 milhões de casos (+44.703 novos casos) e 125.484 mortes (+508);

  • Dois militares portugueses destacados na República Centro-Africana estão infetados com covid-19 e outros 37 militares estão em quarentena profilática, disse à agência Lusa fonte oficial do Estado-Maior-General das Forças Armadas. Segundo o porta-voz do EMGFA, comandante Pedro Santos Serafim, os dois militares em missão naquele país estão assintomáticos e em isolamento;

Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 05h33 de 29 de junho de 2020Universidade Johns Hopkins

A pandemia de SARS-CoV-2

O surto deste novo coronavírus, denominado SARS-CoV-2 e que provoca a doença Covid-19, terá surgido em dezembro num mercado de rua de Wuhan, embora alguns estudos admitam que o vírus já estivesse presente naquela cidade chinesa desde outubro. O primeiro alerta endereçado à Organização Mundial de Saúde aconteceu a 31 de dezembro referindo o caso de uma pneumonia desconhecida. O primeiro registo na Europa surgiu a 24 de janeiro, em França, quatro dias depois dos Estados Unidos. Médicos em França sugerem, entretanto, ter assistido o primeiro paciente no país com Covid-19 a 27 de dezembro depois de repetirem em abril as análises de exames a antigos pacientes com sintomas suspeitos da nova doença. De acordo com os registos oficiais, a pandemia entrou em África, pelo Egito, a 15 de fevereiro, e dez dias depois chegou à América do Sul, pelo Brasil. A pandemia bloqueou a maior parte do mundo desde meados de março. Dois meses depois, apesar da pandemia continuar em expansão, alguns países começam a afrouxar as medidas de contenção e a promover a retoma económica.