Decisão "absurda" e "errada"

Decisão "absurda" e "errada"
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Teresa Bizarro com Lusa, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo português reage à decisão britânica de por Portugal fora da lista de países seguros para viajar devido à Covid-19

PUBLICIDADE

"Absurda", "errada" e fonte de "muito desapontamento". Os qualificativos são do ministro português dos Negócios Estrangeiros e o destinatário é o governo britânico. Em declarações à agência Lusa, Augusto Santos Silva reagiu à decisão do Reino Unido de por Portugal fora da lista de países seguros para passar férias sem cumprir quarentena no regresso.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro britânico esta sexta-feira. Boris Johnson diz que o objetivo destes corredores internacionais de viágens aéreas é garantir "que as pessoas sintam que é seguro viajar e desfrutar", mas "de uma forma responsável".

António Costa respondeu a Johnson no twitter. O primeiro-ministro português publicou um gráfico com a pergunta Reino Unido ou Algarve: qual o lugar mais seguro?

As autoridades portuguesas garantem que não vão tomar qualquer atitude de reciprocidade em relação aos mais de 35 mil britânicos que residem em Portugal, mas esperam que o Reino Unido "corrija esta decisão errada rapidamente".

Na lista dos países seguros para Londres estão Espanha, Itália, França e Alemanha.

Em Berlim, o número de novos casos duplicou em Junho. Há varios p´redios e quarteirões em isolamento total. A Economia demora a retomar o ritmo e os virulogistas avisam: "Temos, em Berlim e noutras partes da Alemanha, sinais inconfundíveis de que o vírus vai voltar."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Um programa que não é um cheque em branco nem uma nova 'troika'"

Pós-Brexit: bebidas com baixo ou nenhum teor alcoólico serão vendidas como "vinho" no Reino Unido

Rei Carlos III recebe as novas notas com o seu retrato