Última hora
This content is not available in your region

OMS reconhece "possibilidade da transmissão do coronavírus pelo ar"

euronews_icons_loading
OMS reconhece "possibilidade da transmissão do coronavírus pelo ar"
Direitos de autor  Ben Margot/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19, a OMS, Organização Mundial de Saúde, admitiu a "crescente possibilidade" do coronavirus se transmitir por via aérea em locais mal arejados.

A instituição reconheceu a hipótese depois de, numa carta aberta, mais de 200 cientistas terem exortado a agência e a comunidade internacional a reconhecer o potencial de transmissão por via aérea da Covid-19.

A OMS recomenda por isso que se evitem espaços fechados e apela ao uso de máscara.

Paul Edelstein, Professor emérito de medicina patológica e laboratorial da Universidade da Pensilvânia, diz concordar com os investigadores que alertam a OMS de que "é preciso considerar todos os vetores de propagação e que a ventilação acrescida nos espaços fechados é necessária. Mas Paul Edelstein acrescenta que se esqueceram de fazer referência às fontes de contaminação, ou seja, evitar, em primeiro lugar, que as pessoas transmitam a doença".

Os 239 pesquisadores de 32 países assinaram uma carta aberta onde acusam a agência das Nações Unidas de falhar em emitir os alertas nesse sentido.

A Real Sociedade de Londres também publicou um comunicado em que urge o público para usar máscaras de proteção depois de dois novos estudos terem apresentado dados sobre a eficácia do uso das coberturas faciais como proteção.

"O uso de máscaras previne o uso de transmissão pode gotículas, tanto as de grande tamanho como as de pequena dimensão porque antes de transformarem em partículas de tamanho de aerossol elas são expelidas num tamanho grande, capturadas pelas máscaras", diz Paul Edelstein.

Mas se por um lado estes peritos defendem o suo de máscaras em espaços fechados e regras apertadas sobre uma ventilação adequada, alguns investigadores e membros da Organização Mundial de Saúde sugerem que esses fardos desnecessários já que a transmissão por gotículas minúsculas não é o modo dominante de transmissão.