Última hora
This content is not available in your region

Fundo de recuperação ainda é uma miragem

euronews_icons_loading
Fundo de recuperação ainda é uma miragem
Direitos de autor  Tobias Schwarz/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

A incerteza sobre se vai chegar-se, ou não, a acordo sobre o fundo de recuperação da União Europeia persiste, 750 mil milhões de euros para fazer face aos desafios da Covid-19, a serem debatidos durante a cimeira do final da semana.

Continua a haver alguma resistência por parte de alguns países, e ainda há pontes a serem construídas. Quem o disse foi Angela Merkel após receber o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte. Apesar do desacordo, a chanceler alemã enfatiza que se trata de uma tarefa gigantesca por isso o valor a despender tem de estar à altura do desafio:

"Vamos discutir, na sexta-feira, como chegar a um acordo comum. Ainda há posições diferentes. Não sei dizer se chegaremos a um acordo mas, de qualquer forma, isso seria bom para a Europa", afirmou a chefe do governo alemão.

Já o primeiro-ministro holandês recebeu os seus homólogos de Portugal e de Espanha. Aos média, e enquanto aguardava por António Costa ou Pedro Sánchez, já que as reuniões decorreram em separado, Mark Rutte afirmou que ainda há um longo caminho a percorrer. É preciso encontrar uma solução, afirmou. Acrescentando, quando questionado sobre se acredita que ela será encontrada, que espera que sim mas que não será fácil. "A política nunca é fácil", frisou.

Os Estados-membros da UE vão negociar o pacote proposto por Alemanha e França, para ajudar os países mais afetados pelo vírus e pelos seus impactos económicos. Mas há Estados como Holanda, Áustria, Dinamarca e Suécia que preferem fazer empréstimos em vez de doações.