Última hora
This content is not available in your region

Polícia aplica multas nas praias do Rio de Janeiro

euronews_icons_loading
Polícia aplica multas nas praias do Rio de Janeiro
Direitos de autor  Leo Correa/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro fim de semana com menos restrições ligadas ao combate à Covid-19 no Rio de Janeiro valeu multas para alguns cariocas que não resistiram ir à praia sem máscara. Embora os banhos de sol também estejam proibidos, foi a ausência do uso de proteção facial que guiou as autoridades.

Houve quem tivesse sido surpreendido com uma multa de 18 euros.

"De facto, estamos errados por estarmos na praia em plena pandemia mas se as multas fossem para todos de forma igual, até compreendia, mas isso não acontece, foi só contras nós, por isso não entendo muito bem", diz uma carioca multada.

Apesar do movimento nas praias de quem aproveitou o calor de inverno, foram aplicadas pela Guarda Municipal 86 multas no domingo e 49 no sábado. O fim das restrições nas praias apenas vai acontecer quando for encontrada uma vacina.

"Se tivermos que esperar uma vacina vai ser muito difícil, ninguém vai trabalhar. Há muita gente que depende de alugar cadeiras e chapéus-de-sol e outras pessoas trabalham como monitores nos desportos de praia e não vão esperar por uma vacina. Como vamos viver? Impossível!", queixa-se um comerciante de cadeiras e chapéus-de-sol em Copacabana.

O Brasil registou mais 631 mortos nas últimas 24 horas, o que eleva para 72.100 o total de óbitos. Foram contabilizados mais cerca de 25 mil contágios, para um acumulado de mais de um milhão e 800 caso confirmados. A taxa de letalidade situa-se nos 3,9 %.

A pandemia tornou mais perigosa a vida na terra e há quem se proteja como se estivesse na lua, como um casal de cariocas, que se passeia em Copacabana com fatos espaciais.

Tercio Galdino tem um pulmão reduzido, logo pertence ao grupo de risco. Alice Galdino, aceitou juntar-se ao marido e espalhar um pouco de humor e alegria para animar o espírito.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 566 mil mortos e infetou quase 13 milhões de pessoas em todo o mundo.