Última hora
This content is not available in your region

Do betão ao verde. Eindhoven investe em soluções baseadas na natureza

euronews_icons_loading
Do betão ao verde. Eindhoven investe em soluções baseadas na natureza
Tamanho do texto Aa Aa

As cidades europeias estão a ficar sobrelotadas e no lugar de espaços verdes há cada vez mais betão. A tendência tem repercussões no agravamento das alterações climáticas, levando consequentemente à ocorrência de inundações, o aumento da temperatura nos centros das cidades, a poluição atmosférica estão entre as principais consequências da crescente urbanização das nossas cidades. No entanto, a natureza pode inspirar soluções modernas para proteger o ambiente.

Natureza dá soluções à medida

Um número crescente de cidades na Europa está a apostar em soluções baseadas na natureza para melhorar o clima urbano e a resiliência da água.

Eindhoven, Tampere e Génova, estão na vanguarda das estratégias desenvolvidas no âmbito do projeto europeu UNaLab.

Outras sete cidades - Stavanger (Noruega), Praga (Chéquia), Castellón (Espanha), Cannes (França), Basaksehir (Turquia), Hong Kong (China) e Buenos Aires (Argentina) - preparam-se para lhes seguir o exemplo.

O catálogo de soluções oferece diferentes opções de acordo com as necessidades de cada realidade urbana. Com cera de de 230 mil habitantes, Eindhoven está centrada nas questões das alterações climáticas locais e da gestão da água.

O vereador do município para o Clima, Energia, Espaço público e verde, Rik Thus, explica que a opção foi tomada, porque "no centro da cidade de Eindhoven há muita pedra. Portanto, o stress térmico é um problema muito grande. No ano passado, Eindhoven bateu o recorde da cidade mais quente dos Países Baixos, 41 graus. Mas também, em dias chuvosos como este, as ruas ficam inundadas". E esse, afirma o vereador, "é também um problema muito, muito grande".

As estradas pavimentadas tendem a aquecer rapidamente o ambiente circundante e retêm a água mais rapidamente. Para fazer face a estes problemas, a estratégia de Estado é melhorar as superfícies verdes, mesmo na água. Estas soluções tornam a manutenção das áreas públicas ainda mais fácil e menos dispendiosa.

Luuk Postmes, gestor do projeto no Unalab em Eindhoven, conta que descobriram que "as soluções baseadas na natureza funcionam bastante bem" localmente, "porque melhoram a habitabilidade da cidade". A transição permitiu ainda ao município descobrir que "a manutenção das áreas verdes é mais barata que a da área pavimentada".

Combate ao calor

Outro desafio fundamental é impedir a formação de ilhas urbanas de calor. Os edifícios e as estradas captam a radiação solar criando condições desconfortáveis para os cidadãos e ecossistemas locais.

De acordo com a agência nacional de estatísticas holandesa, no ano passado, a segunda vaga de calor, em julho, fez aumentar 15% o número de mortes, em uma semana.

Recentemente, o município de Eindhoven aplicou o novo conceito a uma praça no centro da cidade. Onde antes só havia pedra, foram plantadas árvores e vegetação.

A coordenadora local do projeto "Smart Cities", Delia Mitcan, explica que a alteração "se destina a estimular a biodiversidade, um ambiente mais habitável para os cidadãos. E utiliza a água da chuva de uma forma mais inovadora e inteligente".

Construído acima de um parque subterrâneo, o jardim tem um sistema de armazenamento para recolher a chuva da água, que pode ser utilizado para regar plantas e relva.

Hoje, os moradores afirmam que é mais agradável viver na vizinhança.

"O stress provocado pelo calor no verão é demasiado e não estamos habituados a isso nos Países Baixos. Portanto, o ambiente não é assim tão agradável para se viver no verão. E se conseguirmos mudar isso com as flores e as árvores, vamos ajudar a arrefecê-lo", afirma Theo Hoppenbrouwers, membro do comité do bairro.

O projeto vê os habitats urbanos como organismos vivos.

Os solos pavimentados apanham apenas um pequeno volume de partículas no ar, enquanto as áreas verdes intercetam e retêm mais, uma potencialidade importante, especialmente nos Países Baixos, onde a poluição por partículas causa mais mortes do que os acidentes rodoviários.

Os espaços verdes aumentam a qualidade do ar e tornam o ambiente nas cidades mais saudável.