Última hora
This content is not available in your region

Crise do coronavírus destrói um milhão de empregos em Espanha

euronews_icons_loading
Crise do coronavírus destrói um milhão de empregos em Espanha
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de um milhão de empregos foram destruídos em Espanha devido à crise do coronavírus.

Esta terça-feira foram conhecidos os números do desemprego relativos do segundo trimestre e confirmam o forte impacto que a pandemia teve, sobretudo no setor turístico, com a perda de mais de 800 mil postos de trabalho.

A taxa de desemprego subiu para 15,3%.

O risco de novos surtos limita o vislumbre de uma recuperação económica, apesar dos esforços do Governo.

A porta-voz do Governo espanhol, María Jesús Montero, enviou uma mensagem de confiança aos espanhóis e lembrou que são "um destino incomparável, não só em termos culturais, mas também em património e gastronomia. E, além disso, um destino seguro que se preparou e reforçou para enfrentar o vírus e os seus surtos."

Depois de França, a Alemanha junta-se aos países europeus que desaconselham as viagens para algumas regiões espanholas. O Reino Unido impôs uma quarentena obrigatória a quem regresse de Espanha. Uma decisão que o primeiro-ministro Boris Johnson justifica com "o que está a acontecer com alguns dos nossos amigos europeus. Receio que em alguns lugares estejamos a ver os sinais de uma segunda vaga da pandemia."

Em Espanha, as restrições estão a endurecer.

A comunidade de Madrid impôs o uso obrigatório de máscaras e anunciou a criação de um cartão de saúde individual para o coronavírus.

A Galiza exige o registo dos viajantes provenientes da Catalunha, região que depois de mandar fechar os espaços de vida noturna, vai agora impor multas a quem se juntar na rua para beber álcool.