Caça-furtiva de rinocerontes cai na África do Sul

África do Sul acolhe a maior colónia de rinocerontes no mundo.
África do Sul acolhe a maior colónia de rinocerontes no mundo. Direitos de autor AP Photo/Shiraaz Mohamed
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Anúncio foi feito pelo Governo. Paralelamente registou-se um crescimento na caça de antílopes para alimentação em tempo de pandemia.

PUBLICIDADE

Sem enchentes de turistas nem multidões, na África do Sul, país fortemente castigado pela pandemia de Covid-19, o confinamento ajudou à tendência dos últimos dois anos de regressão na caça-furtiva de rinocerontes.

O Governo anunciou uma quebra de 47% durante o primeiro semestre do ano face ao período homólogo. A maioria das mortes, 88, ocorreu no Parque Nacional Kruger, mas os números parecem começar a crescer entre outras espécies.

O Parque Nacional Kruger, no nordeste do país, é uma das maiores reservas naturais africanas e casa da maioria da população de rinocerontes na África do Sul. Mas se até agora a caça-furtiva estava orientada para os rinocerontes e elefantes, atualmente, entre as vítimas, estão também antílopes.

Privados de trabalho por causa da pandemia, muitos sul-africanos começaram a caçar os animais para sobreviver e alimentar as famílias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pendurar rinocerontes de cabeça para baixo é "vital" para a sua conservação, dizem os cientistas

Autocarro cai de uma ponte na África do Sul e mata 45 pessoas

"Existem provas credíveis de atos de genocídio em Gaza"