Última hora
This content is not available in your region

Aumenta a tensão entre Grécia e Turquia

euronews_icons_loading
Aumenta a tensão entre Grécia e Turquia
Direitos de autor  AP Photo/Burhan Ozbilici
Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia vai pedir uma reunião de emergência do Conselho de Negócios Estrangeiros da União Europeia. Atenas acusa Ancara de violar a sua soberania ao enviar um navio de investigação e dois de apoio para o Mar Mediterrâneo, entre Chipre e a Grécia.

A embarcação chegou, à referida área, na manhã de segunda-feira, escoltada por navios de guerra turcos. Nicos Dendias, chefe da Diplomacia grega, diz que a "Grécia defenderá a sua soberania e os seus direitos soberanos" e pede à Turquia "que se retire, imediatamente, da plataforma continental grega". A Grécia também já enviou navios de guerra para monitorizar os movimentos turcos.

A recente descoberta de gás natural tem aumentado a tensão porque os interesses, dos dois países, entram regularmente em choque. Por várias vezes estiveram à beira de uma guerra, um delas por causa de direitos de perfuração. Mais uma vez fica claro que os dois países estão de costas voltadas.

Mevlut Cavusoglu, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, afirma que a partir do final de agosto "estamos determinados" a enviar o o navio Oruç Reis "para as nossas fronteiras ocidentais da plataforma continental na nova região. No Mediterrâneo Oriental, Chipre e Turquia, vão defender os direitos dos Cipriotas turcos até ao fim e não vamos ceder, de forma alguma, nesta questão", garantiu.

A última contenda, entre os dois países está relacionada com um acordo que a Grécia assinou com o Egito, na quinta-feira passada, delineando as fronteiras marítimas entre os dois países e as zonas económicas exclusivas, que definem os direitos de exploração de recursos.

Mas ano passado, a Turquia tinha assinado acordo semelhante com o governo líbio. Grécia, Egito e Chipre afirmaram que ele viola os seus direitos, em termos económicos, no Mediterrâneo. Para a União Europeia o acordo é uma violação do Direito Internacional e uma ameaça à estabilidade regional.

No centro da questão está a forma como se calcula a plataforma continental de um país e se as ilhas devem ser incluídas nesse cálculo. A Turquia diz que não, a Grécia que sim.