Covid-19 volta a alastrar na Europa e a culpa é do relaxamento das medidas de restrição

Biarritz, França
Biarritz, França Direitos de autor Bob Edme/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Relatório do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças mostra que Portugal foi um dos poucos países que escapou à subida generalizada

PUBLICIDADE

A covid-19 está a subir novamente na Europa e as autoridades nacionais deviam considerar a possibilidade de reintroduzir medidas de restrição para travar o contágio. Na origem da subida está o relaxamento da população, que passado o susto inicial tem vindo a baixar as defesas.

O alerta foi dado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, tendo por base os números registados entre 20 de julho e 2 de agosto em 31 países europeus. Espanha, Roménia e Luxemburgo são os casos mais preocupantes, tendo registado um aumento superior a 30% no número de novas infeções.

Portugal continua acima da média europeia quer no número de novos casos, quer no número de mortes por milhão de habitantes, mas nem tudo são más notícias. Foi um de apenas cinco países onde a pandemia recuou, com o número de novos casos a baixar mais de 30%. Melhor, só a Suécia.

No sentido contrário, Luxemburgo, Espanha e Roménia estão numa situação cada vez mais preocupante. Não só apresentam uma taxa de infeção bastante superior à média europeia, como viram esse número aumentar consideravelmente.

O documento encoraja as pessoas a passar mais tempo ao ar livre, respeitando naturalmente o distanciamento social. Afinal de contas, ainda estamos longe de fazer xeque-mate à doença.

Editor de vídeo • Bruno Sousa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023