EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Oposição bielorrussa apela à união dos trabalhadores e manutenção das greves

Oposição bielorrussa apela à união dos trabalhadores e manutenção das greves
Direitos de autor Mindaugas Kulbis/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Mindaugas Kulbis/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Borges de Carvalho com AP, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Oposição bielorrussa apela à união dos trabalhadores e manutenção das greves. Sviatlana Tsikhanouskaya, opositora ao Presidente Alexander Lukashenko, pede aos compatriotas que não se deixem intimidar e permaneçam unidos

PUBLICIDADE

Sviatlana Tsikhanouskaya, a principal opositora ao Presidente bielorrusso, continua a apelar à união dos compatriotas na luta para tirar Alexander Lukashenko do poder.

Exilada na Lituânia, Tsikhanouskaya divulgou um vídeo onde pede aos trabalhadores fabris que continuem as greves.

"O futuro da Bielorrússia e dos nossos filhos, depende da vossa unidade e determinação agora. Por isso, peço-vos que continuem e que expandam as greves. Não se deixem intimidar. Unam-se. Deixem as autoridades, que se escondem nos palácios, ouvir as nossas vozes. As vozes que eles nos roubaram."
Sviatlana Tsikhanouskaya
Política bielorrusa exilada

O Ministério do Interior confirmou esta sexta-feira que deteve Yevgeny Bokhvalov, o organizador da greve na enorme fábrica de automóveis de Minsk, mas não deu mais pormenores.

A fábrica de camiões pesados permanece em greve desde segunda-feira, tal como muitas outras em todo o país.

Ações que representam um duro desafiam a Lukashenko, de 65 anos, que sempre teve nos trabalhadores fabris a sua principal base de apoio durante as décadas do seu regime de mão de ferro.

As autoridades bielorrussas também convocaram para interrogatório três importantes ativistas da oposição como parte de uma investigação criminal pela criação de um grupo coordenador destinado a facilitar a transição de poder no país.

Ações de intimidação para Tsikhanouskaya que diz que "todas as pessoas no nosso país sentem medo e estão assustadas, mas é nossa missão ultrapassar os nossos medos e ir mais longe."

A política exilada na Lituânia sublinha ainda que está "loucamente apaixonada pela minha pátria e quero muito voltar para lá. E certamente voltarei para lá quando me sentir segura."

O Presidente Alexander Lukashenko acusa os Estados Unidos de instigar os protestos e a oposição de ser uma marioneta do Ocidente. Promete tomar medidas nos próximos dias para acabar rapidamente com os protestos porque, diz ele, não pode permitir que destruam o país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos maciços contra Alexander Lukashenko

Alexander Lukashenko acusa ocidente

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia