Última hora
This content is not available in your region

Protestos nas ruas da Bielorrússia vão continuar

euronews_icons_loading
Protestos nas ruas da Bielorrússia vão continuar
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos na Bielorrússia parecem ter chegado para ficar enquanto Aleksandr Lukashenko não ceder. Aquela que é agora vista como líder da oposição, Sviatlana Tsikanouskaya, mostra-se determinada em ir até onde for preciso para forçar o presidente a negociações e sem a intervenção russa enquanto aliada do chefe de Estado.

Sviatlana Tsikanouskaya:

As pessoas estão em greve, estão a fazer manifestações todos os dias e temos certeza que não vamos parar até que as autoridades se afastem porque a nossa sociedade já não está disponível para obedecer a um ditador. A nossa sociedade não é capaz de perdoar e esquecer tudo, os crimes que eles cometeram, continuaremos até vencermos.

Salako Tokunbo, euronews:

E porque não envolver o Kremlin?

Sviatlana Tsikanouskaya:

A Rússia é nossa vizinha e temos uma relação maravilhosa com a Rússia, mas entendemos que o nosso protesto, o protesto do povo bielorrusso, acontece dentro do nosso país. É um problema que o povo bielorrusso precisa resolver. Mas se precisarmos de alguma mediação internacional, nesta negociação, todos os países, incluindo a Rússia, estão convidados.

Salako Tokunbo, euronews:

Pediu, repetidamente, o diálogo com Aleksandr Lukashenko, se pudesse enviar-lhe uma mensagem, hoje, o que é que lhe diria?

Sviatlana Tsikanouskaya:

Pedir-lhe-ia que ouça o seu povo, que ouça a vontade do seu povo e que compreenda que já não queremos viver com ele. Afaste-se e deixe o país existir sem ele. Isso é possível e deve ser feito.