Última hora
This content is not available in your region

Os refugiados na Alemanha 5 anos depois do acolhimento

euronews_icons_loading
Os refugiados na Alemanha 5 anos depois do acolhimento
Direitos de autor  Michael Sohn/
Tamanho do texto Aa Aa

Foi uma das frases de Angela Merkel que provocou mais impacto durante o seu longo mandato. Foi há cinco anos que a chanceler alemã disse: "Vamos conseguir" - perante a missão de abrir as fronteiras alemãs para receber migrantes, a maior parte deles de origem síria e à procura de asilo. Outros vinham do Norte da África, do Iraque ou Afeganistão.

As palavras de Merkel abriram caminho ao maior contingente de refugiados comparativamente a qualquer outro país da UE. Entre 2015 e 2019, mais de 1,5 milhão de pessoas solicitou asilo na Alemanha, transformando-o no país com a quinta maior população de refugiados do mundo. Mas a política de Merkel também provou ser altamente fraturante dentro do seu próprio partido, a União Democrática Cristã - assim como em relação à oposição.

Num contexto de solidariedade e de polarização política, será que a aposta valeu a pena?

Vemos que aproximadamente de 3/4 dos refugiados que chegaram aqui em 2015/16 têm casa própria, vivem de forma independente. Cerca de 2/3 dos que fugiram nessa altura têm agora em emprego permanente ou seguem uma formação, mas as mulheres ainda têm de acompanhar o movimento. Mas, no geral, podemos ver que os desenvolvimentos ultrapassaram as expectativas mais optimistas de há alguns anos atrás.
Dr. Olaf Kleist
Centro Nacional de Apoio à Integração de Migrantes

Embora o número de migrantes que chegam à Europa seja significativamente menor do que há 5 anos. O impacto desta migração em massa ainda se sente hoje em dia. As travessias ilegais do mediterrâneo continuam a representar um problema.