Macron defende Charlie Hebdo

Macron defende Charlie Hebdo
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em França a liberdade de blasfémia está ligada à liberdade de consciência diz o presidente francês antes do início do julgamento ao ataque ao jornal.

PUBLICIDADE

Para marcar o início do julgamento de alegados cúmplices do ataque à publicação satírica francesa "Charlie Hebdo" republicam-se capas, entre elas a do controverso cartoon do profeta Maomé, a mesma que justificou o injustificável, um atentado que terminou com 12 mortes.

De visita ao Líbano, em Beirute, o presidente francês lembrava a tragédia e defendia a liberdade de blasfémia:

"Penso que um presidente da República francesa nunca qualificou as escolhas editoriais de um jornalista ou de uma redação, nunca, porque há uma liberdade de imprensa há qual estão, e com justiça, profundamente, ligados. Também há, em França liberdade de blasfémia que está ligada à liberdade de consciência. E o meu papel é proteger todas essas liberdades", afirmou Emmanuel Macron.

Foi a sete de janeiro de 2015 que aconteceu a tragédia que chocou o mundo. Dois irmãos, armados com Kalashnikov, entraram na sede do referido semanário, em Paris. Acabariam por matar parte da equipa do jornal e depois dois agentes da Polícia Nacional francesa. Terminariam ambos abatidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Penas pesadas pedidas pelos atentados de janeiro 2015

Macron reafirma que França não vai ceder

França assinala 5 anos do ataque ao Charlie Hebdo