Última hora
This content is not available in your region

EUA proíbem aplicações chinesas TikTok e WeChat

euronews_icons_loading
EUA proíbem aplicações chinesas TikTok e WeChat
Direitos de autor  AP Photo/Mark Schiefelbein, File
Tamanho do texto Aa Aa

A partir de domingo, vai deixar de ser possível descarregar as aplicações de telemóvel chinesas TikTok e WeChat nos Estados Unidos. O serviço multifunções WeChat deixará mesmo de operar em território norte-americano. Já o Tiktok poderá ser usado até 12 de novembro.

Num comunicado, o Secretário do Comércio, Wilbur Ross, disse que "sob a direção do Presidente, foram tomadas medidas para combater a recolha maliciosa de dados pessoais de cidadãos americanos por parte da China, promovendo ao mesmo tempo os valores nacionais americanos".

O governo norte-americano cumpre assim a ameaça feita pelo Presidente Donald Trump, que há vários meses tem vindo a alertar para os riscos destas duas aplicações, dando-as como exemplo do potencial de interferência chinesa.

A decisão põe em causa o recente acordo da californiana Oracle para assumir as operações da TikTok no país, uma exigência da administração Trump para que a aplicação pudesse continue a operar.

Tal como a maioria das redes sociais, o TikTok recolhe dados e modera as publicações dos utilizadores. Usa a localização e monitoriza o que estes observam para descobrir a melhor forma de lhes direcionar anúncios.

Existem preocupações semelhantes com outras redes sociais como Facebook ou Twitter, mas a propriedade chinesa eleva a fasquia porque o governo de Pequim poderia exigir às empresas que o ajudasse a recolher informações.

Mais de 100 milhões de pessoas por mês e 50 milhões por dia usam o TikTok só nos Estados Unidos.

A empresa garante que não armazena dados de utilizadores norte-americanos na China e que não daria essa informação ao governo, mas vários especialistas dizem que o governo chinês pode obter qualquer informação que queira das empresas chinesas.