EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Pandemia muda mercado imobiliário de Madrid

Pandemia muda mercado imobiliário de Madrid
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Carlos Marlascaeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Procura de moradias familiares aumenta, arrendamentos sofrem quebra acentuada

PUBLICIDADE

Se tempos de crise são também tempos de oportunidade, Adriana e Sergio não deixaram passar a deles. O casal espanhol mudou de casa em plena pandemia, trocando o apartamento no centro de Madrid por uma moradia nos arredores da capital espanhola.

Na origem da mudança, a covid-19. De acordo com Adriana Pascual, perceberam durante o confinamento que o apartamento era demasiado pequeno e em apenas quinze dias encontraram exatamente o que procuravam.

O caso de Sergio e Adriana não é único e um estudo de uma agência imobiliária revela que nos últimos seis meses, a procura por moradias familiares fora do centro de Madrid aumentou 18%. Apesar da fuga dos grandes centros urbanos, nem por isso se deve esperar uma descida dos preços.

Francisco Iñareta, explica que isso não vai acontecer porque a procura continua a ser muito alta e porque existem elevadas expectativas que a recuperação económica seja rápida, devido às ajudas que vão chegar da Europa e às facilidades concedidas pelo Banco Central Europeu para contrair dívida de forma barata.

O otimismo não se estende a quem vive do arrendamento, que sofreu um rude golpe com a pandemia. De acordo com a federação que gere o setor em Espanha, a ocupação baixou para metade durante o verão e as perdas podem atingir os quatro mil e quinhentos milhões de euros.

Para Lola Martín, a quebra do turismo deixa-lhe duas alternativas, "arrendamentos de média duração, em que pagam os impostos por inteiro e com a baixa dos preços o lucro é muito reduzido", ou arrendamentos de longa duração, onde podem "deduzir 60% dos impostos mas têm de ficar cinco anos presos a alguém com uma renda baixa".

O coronavírus está a deixar marca no mercado imobiliário. A tendência que se tem verificado em Madrid repete-se em outras cidades, como Nova Iorque, Paris e Londres.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mercado imobiliário resiste à Pandemia

Confinamentos locais agravam situação dos mais pobres em Madrid

Segunda vaga de Covid-19 leva a mais restrições na Europa