Última hora
This content is not available in your region

UE apela à cessação de hostilidades no Nagorno-Karabakh

euronews_icons_loading
UE apela à cessação de hostilidades no Nagorno-Karabakh
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia apelou à Arménia e ao Azerbeijão no sentido de terminarem as hostilidades na região de Nagorno-Karabakh iniciadas no domingo.

Trata-se de um dos conflitos mais velhos do mundo cujas origens remontam à primeira metade dos anos 90.

Os combates de domingo levantaram receios de que várias potências regionais poderiam ser arrastadas para este conflito.

"Apelamos a todos para fazerem tudo de forma a evitar uma guerra porque isto é a última coisa de que esta região necessita. A escalada de tensões em torno do Nagorno-Karabakh é preocupante porque pode levar a uma escalada com consequências sérias para a estabilidade regional. É por isso que a UE apela oficialmente a ambos os lados para cessarem a violência e o confronto armado", apela o porta-voz da União Europeia, Peter Stano.

A Alemanha decreveu a situação na região como preocupante e repetiu o apelo lançado pela União Europeia.

"O governo alemão vê esta eclosão do conflito entre a Arménia e o Azerbeijão como um desenvolvimento muito perigoso da situação, apelamos a ambos os lados no sentido de um cessar-fogo imediato e um regresso às negociações. Existe um local apropriado para isto que o o Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. Esse é o nosso apelo a ambos os lados", lançou o porta-voz da Chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert.

O presidente turco também reagiu colocando-se do lado do Azerbeijão.

"De novo, condeno a Arménia por ter atacado território do Azerbeijão ontem. A Turquia irá continuar a apoiar o país amigo e irmão Azerbeijão com quaisquer meios possíveis", declarou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

A Rússia apelou igualmente à contenção de ambos os lados.

Ainda não são conhecidas as circunstâncias que levaram à violência.

A União Europeia espera que o ciclo de violência na região de Nagorno-Karabakh possa ser resolvido com brevidade.