Última hora
This content is not available in your region

Ursula von der Leyen reúne-se com Boris Johnson este sábado

euronews_icons_loading
Ursula von der Leyen
Ursula von der Leyen   -   Direitos de autor  JOHN THYS/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

A Presidente da Comissão Europeia vai este sábado fazer um "balanço" das negociações para o Brexit com o primeiro-ministro britânico.

"Quando se quer mesmo, consegue-se" - são as palavras ainda otimistas de Ursula von der Leyen, cujo tom, apesar de tudo, subiu em relação a Londres. A presidente do executivo comunitário e Boris Johnson vão pronunciar-se este sábado sobre os avanços e recuos do acordo de saída, que motivaram um processo de infração por parte de Bruxelas.

Segundo Holger Hestermeyer, investigador do King's College de Londres, "o problema é que, a partir de agora, a União Europeia vai desconfiar da palavra do primeiro-ministro britânico e vai ter de pôr nos futuros acordos mecanismos que garantam que o Reino Unido não volte atrás".

O correspondente da Euronews em Londres, Tadhg Enright, sublinha que "há uma tempestade política no horizonte. A semana até começou com perspetivas positivas sobre os dossiês das pescas e das ajudas estatais. Mas terminou com um processo de infração e um impasse ainda maior. Só o encontro entre líderes deste sábado é que parece poder salvar as coisas. Ou será que, mais uma vez, o desfecho assentará no prolongamento dos prazos?.

Bruxelas lançou esta quinta-feira um processo de infração contra Londres por violação do que já estava ratificado no acordo de saída. "Enviámos uma notificação formal aos nossos amigos britânicos porque queremos esclarecer a situação. Entretanto, continuamos a trabalhar para implementar o acordo de saída dentro dos prazos. Nós respeitamos os compromissos que assumimos", afirmou Ursula von der Leyen.

Depois de o bloco comunitário ter estipulado como prazo até final de setembro para que Londres retirasse dessa proposta de lei as partes mais polémicas, o que não aconteceu, Bruxelas avança com uma ação na justiça, como já tinha ameaçado.

O executivo comunitário entende, assim, que o Reino Unido está a violar as suas obrigações decorrentes do Acordo de Saída e do direito internacional, pelo que dá agora ao Governo britânico um mês para responder.

Na terça-feira, os deputados britânicos aprovaram esta proposta de lei controversa por 340 votos a favor e 256 contra, concluindo o processo na Câmara dos Comuns e abrindo caminho para a análise pela Câmara dos Lordes (câmara alta do parlamento) nas próximas semanas.

Destinada a substituir as normas europeias por regras para o comércio entre as diferentes regiões do Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) após a saída da UE, a legislação dá ao executivo britânico poderes para ignorar cláusulas que estão no Acordo.