EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Macron promete diálogo com os independentistas da Nova Caledónia

Presidente de França promete dialogar com os independentistas
Presidente de França promete dialogar com os independentistas Direitos de autor AP/ Ludovic Marin / Mathurin Derel
Direitos de autor AP/ Ludovic Marin / Mathurin Derel
De  Francisco Marques com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente de França agradeceu a confiança manifestada no referendo deste fim de semana, mas reconhece que a decisão não é definitva e que há trabalho a fazer

PUBLICIDADE

A Nova Caledónia, um arquipélago no Pacífico sul de 270 mil habitantes, rejeitou pela segunda vez em dois anos a independência perante a soberania de França, da qual está a 16 mil quilómetros.

Este novo referendo revelou um aumento da participação eleitoral (85% contra 81% em 2018) e um ligeiro crescimento entre os apoiantes da independência (46% contra 43%). Ainda assim, foram mais de 53% os votos validados a reafirmar a manutenção da soberania francesa

O suficiente para o presidente Emmanuel Macron, numa mensagem vídeo logo após a confirmação oficial dos resultados, ter enaltecido a escolha de que a Nova Caledónia continue a ser parte de França.

Os eleitores expressaram a sua opinião e a maioria confirmou o desejo de que a Nova Caledónia continue a ser parte de França.

"Como chefe de Estado, recebo esta manifestação de confiança na República francesa com um profundo sentimento de gratidão e igualmente com humildade.
Emmanuel Macron
Presidente de França

O presidente francês dirigiu também algumas palavras aos independentistas, com quem prometeu "trabalhar em conjunto para construir a Nova Caledónia do futuro".

Macron perspetivou "dois anos de diálogo", tendo em vista 2022, o ano em que deverá ocorrer um novo referendo pela independência, o terceiro previsto pelo acordo de Nouméa estabelecido em 1998.

Os dois primeiros referendos rejeitaram o corte com a França, mas a interligada cidadania europeia dos habitantes da Nova Caledónia ainda não é definitiva e deve voltar às urnas, com os independentistas em festa no arquipélago pelo aumento do apoio à separação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova Caledónia repete "sim" indireto à União Europeia

Nova Caledónia vota corte indireto com a União Europeia

Nova Caledónia rejeita ser independente de França