Última hora
This content is not available in your region

Prémio Nobel da Paz para o Programa Alimentar Mundial

euronews_icons_loading
Programa Alimentar Mundial no Zimbabué
Programa Alimentar Mundial no Zimbabué   -   Direitos de autor  Tsvangirayi Mukwazhi/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O Programa Alimentar Mundial venceu o Nobel da Paz de 2020. A escolha foi anunciada, esta sexta-feira, e teve como critério os esforços da agência das Nações Unidas no combate à fome.

"Face à pandemia, o Programa Alimentar Mundial tem demonstrado uma impressionante capacidade de intensificar a sua operação. Como a própria organização reconheceu, até ao dia em que tivermos uma vacina, a comida é a melhor vacina contra o caos. O mundo corre o risco de sofrer uma crise de fome de proporções inconcebíveis se o Programa Alimentar Mundial e outras organizações de assistência alimentar não receberem o apoio financeiro que pediram", declarou a presidente do Comité do Nobel da Paz, Berit Reiss-Andersen.

Em 2019, de acordo com o Programa Alimentar Mundial, a organização humanitária prestou assistência a 97 milhões de pessoas em 88 países

Numa reação por vídeo à distinção, o porta-voz do Programa Alimentar Mundial, Tomson Phiri, afirmou que o prémio "não é apenas para o Programa Alimentar Mundial. É para o Programa Mundial, sim, [mas também] todas as outras organizações das Nações Unidas com quem trabalhamos, as ONG parceiras, todos os doadores que nos apoiaram durante todo este tempo e o povo, os governos com quem trabalhamos em todos esses muitos países em que estamos. Isto é de facto para todos".

Devido à pandemia de covid-19. o Programa Alimentar Mundial estima que, daqui a um ano, 256 milhões de pessoas estejam a passar fome. E a fome, afirmou a presidente do comité do Nobel da Paz "é uma das armas mais antigas de conflito no mundo".

O comité do prémio Nobel da Paz escolheu o vencedor a partir de uma lista de candidatos com 211 pessoas e 107 organizações. No total, havia 318 candidatos ao prémio e na lista constavam nomes como os de Alexei Navalny, Greta Thunberg, ou mesmo Donald Trump.

O laureado vai receber o prémio de dez milhões de coroas suecas (cerda de 950 mil euros), além de um diploma e uma medalha.

A cerimónia de entrega do prémio acontecerá em 10 de dezembro, em Oslo, na Noruega, e contará com a presença de apenas cerca de 100 convidados, devido às restrições impostas pela covid-19.