EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Cientistas regressam com grito de alarme do Ártico

Polarstern de regresso à Alemanha
Polarstern de regresso à Alemanha Direitos de autor FOCKE STRANGMANN/EPA
Direitos de autor FOCKE STRANGMANN/EPA
De  Rodrigo Barbosa com AP / AFP / Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de mais um ano no extremo norte do planeta, cientistas da expedição MOSAIC voltam à Alemanha. Missão constatou efeitos do aquecimento global na calota polar

PUBLICIDADE

A mais importante expedição científica jamais enviada ao Pólo Norte está de regresso à Alemanha, com um grito de alarme sobre os efeitos das alterações climáticas no Ártico.

O quebra-gelo Polarstern passou mais de um ano no extremo norte do Planeta com mais de 300 cientistas de 20 países a bordo.

No último ano expandimos os limites do que é possível em termos de exploração do Ártico, quebrando vários recordes. Redefinimos a paisagem para o futuro da pesquisa no Ártico. Conseguimos bastante e parece-me justo dizer que a expedição constitui, e continuará a representar por muito tempo, um patamar histórico na pesquisa polar. Voltámos com um tesouro de dados e amostras que mudarão para sempre a pesquisa do clima.
Marcus Rex
cientista e líder da expedição MOSAIC

Apesar do frio, o Polarstern teve direito a uma comitiva de acolhimento no porto alemão de Bremerhaven, no Mar do Norte.

Se os dados da expedição MOSAIC demorarão alguns anos a serem integralmente processados, a constatação mais imediata da missão foi o degelo no Ártico, já evidenciado nas imagens recolhidas por satélites norte-americanos que registaram, este verão, a maior redução da calota polar desde 2012.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova subespécie na Gronelândia relança esperança de vida dos ursos polares

Ativistas climáticos pintam Portas de Brandemburgo durante protesto

Relatório alerta para branqueamento de corais provocado pelo aquecimento dos oceanos