Última hora
This content is not available in your region

Irlanda e País de Gales reconfinam

euronews_icons_loading
Irlanda e País de Gales reconfinam
Direitos de autor  Bob Edme/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Irlanda e País de Gales são os primeiros territórios europeus a voltar a confinar as populações, no combate contra a segunda vaga da pandemia de coronavírus.

Dia após dia, as restrições são endurecidas um pouco por toda a Europa, que tenta travar a Covid, responsável por 250.000 mortos no continente e 40 milhões de contaminados em todo o mundo.

O chefe do governo irlandês anunciou um novo confinamento, que entrará em vigor na quarta-feira e durará pelo menos seis semanas, numa comunicação na qual reconheceu que "2020 tem sido um ano difícil e ainda não chegou ao fim; indivíduos e famílias na primeira linha têm sacrificado bastante."

No País de Gales, o novo confinamento entra em vigor na próxima sexta-feira mas para já a duração prevista é de duas semanas. Trata-se da mais dura restrição no Reino Unido desde a primeira vaga de Covid-19 na primavera.

Mark Drakeford, chefe do governo galês:"Sabemos que, se não agirmos agora, vai continuar a acelerar e há um risco real de sobrelotar o nosso serviço de saúde."

Na Bélgica, onde a epidemia está a "subir em flecha", multiplicam-se as filas para os testes. Cafés e restaurantes fecharam por quatro semanas e na segunda-feira entrou em vigor um recolher obrigatório, da meia-noite às 5 horas da manhã. A Bélgica regista atualmente o terceiro maior número de mortes devido à Covid por 100.000 habitantes.

A Eslovénia também segue a tendência do recolher obrigatório, depois da última bateria de testes realizados ter registado uma taxa de positivos de 20 por cento.

Ales Hojs, ministro esloveno do Interior: "A partir das 21 horas ninguém pode sair à rua ou para espaços públicos. A polícia e as autoridades sanitárias vão vigiar a situação. Se alguém for identificado no exterior e não fizer parte das exceções, será multado."

Com mais de 8000 mortos em sete dias, a Europa sofreu o pior balanço numa única semana desde o meio de maio.