Última hora
This content is not available in your region

França e Dinamarca batem recorde de infeções de Covid-19

euronews_icons_loading
França e Dinamarca batem recorde de infeções de Covid-19
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

França vai alargar o recolher obrigatório. A partir da meia-noite de sexta-feira, não serão apenas as cidades, mas regiões inteiras que passam a estar confinadas entre as 21h e as 06h da manhã. Medida que afetará dois terços da população gaulesa. O país bateu um novo recorde de infeções, mais de 41600 novos casos em 24 horas, um aumento de 15000 em relação a quarta-feira, e 162 mortes.

O primeiro-ministro do país explicava que a medida afeta "__54 departamentos e mais um ultramarino (...), ou seja, 46 milhões de cidadãos. O vírus está a acelerar, por isso temos de antecipar ainda mais a implementação das medidas. As restrições são pesadas, estou ciente, mas também vejo que estão a ser respeitadas", afirmou Jean Castex.

*Bélgica*

Na Bélgica, a antiga primeira-ministra, que é agora ministra dos Negócios Estrangeiros está nos cuidados intensivos por ter sido infetada com o novo coronavírus. Mas a sua porta-voz diz que ela está consciente e "relativamente bem".

Sophie Wilmes junta-se aos quase três mil belgas que estão hospitalizados, quase 500 nas UCI. De acordo com as autoridades se o número de casos continuar a crescer a este ritmo, em 24 horas foram reportados mais de 13 mil novas infeções, as unidades de cuidados intensivos atingirão a sua capacidade até meados de novembro.

*Alemanha*

Na Alemanha, e em relação a quarta-feira, o número de novos casos diminuiu, ainda assim foram contabilizados mais de 6.400. As autoridades de Saúde pedem às populações que mantenham a vigilância porque começa haver poucas camas vagas nos cuidados intensivos.

*Dinamarca*

A Dinamarca decidiu encerrar a fronteira com a Alemanha devido ao aumento de casos por terras germânicas. Mas o país bateu, esta quinta-feira, o recorde de infeções, desde o início da propagação do vírus no país, 760. As autoridades de saúde ameaçam com novas restrições se os números continuarem a aumentar.