EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Oposição democrática na Bielorrússia é a vencedora do prémio Sakharov 2020

Oposição democrática na Bielorrússia é a vencedora do prémio Sakharov 2020
Direitos de autor Pietro Naj-Oleari/This photo is free to use under Creative Commons license CC-BY-4.0 and must be credited: "CC-BY-4.0: © European Union 2019 –
Direitos de autor Pietro Naj-Oleari/This photo is free to use under Creative Commons license CC-BY-4.0 and must be credited: "CC-BY-4.0: © European Union 2019 –
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O prémio Sakharov para a liberdade de consciência, no valor de 50 mil euros, foi instaurado em 1988 e conta, entre os seus laureados, com o resistente contra o Apartheid na África do Sul Nelson Mandela (1988) ou o lutador pela independência de Timor-Leste Xanana Gusmão (1999).

PUBLICIDADE

A oposição democrática na Bielorrússia é a vencedora do prémio Sakharov 2020, atribuído anualmente pelo Parlamento Europeu (PE).

A oposição da antiga república soviética é representada pela figura do Conselho de Coordenação, uma plataforma que junta figuras da sociedade civil e personalidades políticas como Svetlana Tikhanouskaia, a adversária eleitoral do Presidente Aleksander Lukashenko.

O anúncio foi proferido pelo Presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, "Quero congratular os representantes da oposição bielorrussa pela coragem, pela resiliência e determinação. Eles encarnam a defesa diária da liberdade de pensamento e expressão, aquilo que o prémio Sakharov recompensa.

Entre os candidatos a receber este prémio estava, para além da oposição democrática na Bielorrússia, o arcebispo de Mossul (Síria), ativistas ambientais hondurenhos e dos direitos LGBTI polacos.

O prémio Sakharov para a liberdade de consciência, no valor de 50 mil euros, foi instaurado em 1988 e conta, entre os seus laureados, com o resistente contra o Apartheid na África do Sul Nelson Mandela (1988), o lutador pela independência de Timor-Leste Xanana Gusmão (1999) e o bispo emérito de Lubando Zacarias Kamwenho pelos esforços de paz em Angola (2001).

Em 2019, foi atribuído a Ilham Tohti, defensor dos direitos humanos uigur, professor de economia e defensor dos direitos da minoria uigur na China.

O prémio recebeu o nome do cientista soviético, dissidente e laureado com o Prémio Nobel da Paz, Andrei Sakharov (1921-1989).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?

Nicolas Schmit: "Está fora de questão chegar a acordo com a extrema-direita"

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia