Última hora
This content is not available in your region

Aeroporto de Heathrow deixa de ser o N°1 da Europa

euronews_icons_loading
Aeroporto de Heathrow deixa de ser o N°1 da Europa
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O Aeroporto Roissy-Charles de Gaulle, em Paris, é agora a principal entrada aérea da Europa, destronando Heathrow.

O aeroporto de Londres anunciou que, pela primeira vez, perdeu a liderança no Velho Continente em termos de número de passageiros transportados.

A troca de posições é consequência, essencialmente, da quarentena imposta pelo Reino Unido aos passageiros provenientes de vários países.

O Roissy-Charles de Gaulle transportou, de janeiro a setembro deste ano, 19 milhões e 300 mil passageiros, Heathrow não chegou aos 19 milhões. Um número muito longe dos 61 milhões do período homólogo de 2019.

O aeroporto de Londres é agora seguido pelos aeroportos de Amesterdão Schipol, na Holanda, Frankfurt, na Alemanha, e Madrid Barajas, em Espanha.

O setor da aviação é um dos mais afetados pela pandemia causada pelo novo coronavírus, como exemplifica o diretor-executivo do aeroporto de Genebra, na Suíça, Andre Schneider.

"Cerca de 95% das nossas receitas dependem dos passageiros. Não importa se é direta ou indiretamente. O que significa que temos uma perda maciça de receitas. Tomámos muitas medidas para reduzir os nossos custos, mas como somos uma plataforma repleta de instalações de alta tecnologia, temos formas limitadas de reduzir os nossos custos de uma forma rápida."

O Conselho Internacional de Aeroportos alertou para os riscos para a sobrevivência do setor pois estima que 193 aeroportos enfrentam a insolvência nos próximos meses se o tráfego de passageiros não começar a recuperar até ao final do ano. Uma situação que coloca em risco mais de 270 mil postos de trabalho e pode significar um rombo de cerca de 12 mil e 500 milhões de euros no Produto Interno Bruto europeu.

Em Portugal, os cinco maiores aeroportos do país, geridos pela ANA/Vinci, registaram menos 26 milhões de passageiros de voos internacionais, nos primeiros nove meses de 2020.