EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Biden a caminho da Casa Branca

Joe Biden e Kamala Harris
Joe Biden e Kamala Harris Direitos de autor Carolyn Kaster/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Carolyn Kaster/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os democratas preparam-se para regressar à Casa Branca. A contagem dos votos prossegue mas os sinais apontam todos na direção de Joe Biden. O presidente Trump não desiste.

PUBLICIDADE

Joe Biden prepara-se para suceder a Donald Trump. Mas o presidente cessante promete levar a batalha até ao limite e recusa conceder a derrota. Enquanto isso, as contagens não estão fechadas.

Quando faltam apurar os resultados em cinco estados, o candidato democrata lidera a corrida com 264 Grandes Eleitores (GE), de acordo com as projeções da Associated Press, enquanto o presidente cessante contabiliza 214.

270 é o número da “chave” que permite o acesso à Casa Branca.

A Pensilvânia concentra todas as atenções, atualmente. O estado natal de Joe Biden elege 20 GE. Quando estão contados 98 por cento dos votos, o candidato democrata lidera a contagem por 15 mil votos.

Outro estado igualmente simbólico é a Geórgia, onde estão em jogo 16 votos no Colégio Eleitoral. A diferença de votos, favorável a Biden, pouco passa dos 4 mil, quando os sufrágios estão todos praticamente contados.

O governo de Atlanta afirmou que uma recontagem dos votos é inevitável, tendo em conta a curta distância entre os dois candidatos.

A confirmarem-se estes triunfos, Biden arrebata a Trump dois estados conquistados pelo atual ocupante da Casa Branca em 2016.

No Nevada (6 GE) há mais de 20 mil votos a separar Joe Biden de Donald Trump, enquanto o Arizona (11 GE) é já dado como conquistado pela projeção da Associated Press.

Depois do discurso de quinta-feira, algumas personalidades republicanas vieram a terreiro apontar o dedo ao comportamento de Donald Trump.

O mais cáustico foi o antigo candidato presidencial (2012) Mitt Romney. O senador do Utah considerou “errado dizer que a eleição foi fraudulenta, corrupta e roubada.” Estas declarações “prejudicam a causa da liberdade, aqui e em todo o mundo”.

O candidato derrotado por Barack Obama há oito anos sublinhou, no entanto, que pedir a recontagem de votos ou investigações onde haja provas de irregularidades é um direito do presidente.

Também o senador da Pensilvânia, Pat Toomey, qualificou as acusações de fraude do presidente americano de ”muito perturbadoras”.

Do lado democrata, a líder da Câmara dos Representantes declarou Joe Biden presidente eleito. Nancy Pelosi reclamou vitória mas pediu paciência.

Mas enquanto as contas do Colégio Eleitoral permanecem indefinidas, o resultado do voto popular é sem apelo. Joe Biden conta cerca de 74 milhões de votos, mais quatro milhões do que o adversário.

Algo que pode ser de fraca consolação: Hillary Clinton (2016) e Al Gore (2000) perderam para Trump e George W. Bush, respetivamente, apesar de terem mais votos no total nacional.

Em termos absolutos, os números de ambos os candidatos são sem precedentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apoio nas ruas a Trump e Biden

Joe Biden eleito presidente dos EUA

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão