Contestação e medo das restrições ligadas à Covid-19

Contestação e medo das restrições ligadas à Covid-19
Direitos de autor Sebastian Kahnert/dpa via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A cidade alemã de Leipzig foi palco de uma manifestação de cerca de 20 mil pessoas contra as medidas restritivas ligadas à Covid-19 impostas pelo governo. Na Grécia, a entrada em vigor de um novo confinamento provoca temor pela destruição economia e o surgimento de fome.

PUBLICIDADE

Contra as restrições do governo ligadas à Covid-19 num dia de recorde de casos na Alemanha - 23.300 infeções em 24 horas. Um mar de gente deslocou-se à praça central da cidade alemã de Leipzig em protesto contra as medidas das autoridades e o chamado confinamento suave na Alemanha. Uma manifestação depois de um tribunal ter rejeitado o pedido da autarquia para deslocar o protesto para outro local.

Em Munique, a justiça impediu uma contestação idêntica.

Diferente foi o primeiro dia do "reconfinamento" na Grécia. As ruas das cidades gregas passaram de um frenesim a um cenário desértico. Há também irritação com uma medida que muitos dizem vai destruir o ganha-pão de muita gente.

"As novas medidas arruinaram o nosso trabalho. Pode ver, não há ninguém aqui para transportar e uma grande crise económica. Acho que no próximo ano e no próximo mês você vai ver pessoas a entrarem em colapso, sabe... nas ruas", diz um taxista de Atenas.

Quem quiser sair de casa por necessidade absoluta tem que enviar um SMS às autoridades, se não enfrenta 300 euros de multa, as empresas que não suspendam a atividade não essencial pagam até 5 mil euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa continua a luta para travar a Covid-19

Países europeus recorrem a testes rápidos

Proprietários de restaurantes marcham até Roma em protesto