EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Dois mortos em protestos no Peru

Dois mortos em protestos no Peru
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A polícia reprimiu de forma violenta a manifestação contra o novo presidente Manuel Merino, apontado pelo Parlamento depois da destituição do antecessor.

PUBLICIDADE

No Peru, pelo menos duas pessoas morreram nas manifestações contra o presidente interino Manuel Merino, o que aumentou a pressão para que se demita. Na última noite, milhares de pessoas marcharam pelas ruas de Lima, com cartazes a dizer "Merino não é o meu presidente". Os protestos acabaram em confrontos com a polícia. Dois homens de 24 e 25 anos foram mortos a tiro durante as manifestações, sem que se conheçam as circunstâncias exatas das mortes.

Merino é um político até há pouco tempo desconhecido, um cultivador de arroz que chegou a presidente do parlamento. Viu-se na segunda-feira catapultado para a chefia de Estado depois do parlamento que chefiava ter destituído o até agora presidente Martin Vizcarra, com base em acusações não provadas de corrupção. Os defensores de Vizcarra, que segundo sondagens representam a maioria dos peruanos, veem esta destituição como um assalto ao poder por parte do parlamento.

O Peru teve, este ano, uma das piores contrações económicas de toda a América Latina e é o país com maior taxa de mortalidade per capita devida à Covid-19 em todo o mundo.

Organizações internacionais como a Human Rights Watch estão a mostrar preocupação pelo evoluir da situação no Peru.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Peru: Alberto Fujimori libertado da prisão por razões humanitárias

Polícia peruana reprime protesto pacífico contra a eleição da presidência da assembleia

Vulcão provoca estado de emergência mas há quem resista a afastar-se