EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Doadores disponibilizam 12 mil milhões de dólares ao Afeganistão

Geneva
Geneva Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Nara Madeira com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grupo de Doadores disponibiliza 12 mil milhões de dólares ao Afeganistão a troco de paz e respeito pelo direito internacional e humanitário no país.

PUBLICIDADE

12 mil milhões de dólares é o que o Afeganistão receberá de ajuda dos países doadores até 2024.

A decisão surge no final de uma conferência, também com participantes à distância, que teve como anfitriões as Nações Unidas e a Finlândia, e que durou dois dias. O grupo promete mais de três mil milhões de apoio no primeiro de quatro anos, ou seja em 2021.

A decisão foi anunciada pelo ministro da Cooperação da Finlândia que acrescentou que há condições para esta ajuda, ou seja, "um cessar-fogo imediato, permanente e abrangente" e o "pleno respeito pelo direito internacional e humanitário" que é, afirmou Ville Skinnari, o que o "povo afegão deseja e merece, com urgência".

Passaram quase 20 anos desde que uma coligação internacional, liderada pelos EUA, derrubou o governo talibã que apoiava a Al Qaeda, mas o país nunca conseguiu encontrar um rumo e a violência tem vindo a aumentar nos últimos meses. 

Rebeldes e governo têm-se sentado à mesa das negociações, para que se alcance a paz, em Doha, a capital do Catar.

No momento em que decorria este segundo dia de conferência, uma bomba explodiu na estrada, na cidade de Bamyan, no centro do Afeganistão, matando, pelo menos, 13 civis e um polícia de trânsito, 45 outras pessoas terão ficado feridas, informação avançada por um membro das autoridades afegãs, citado pela Associated Press.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO analisa retirada de tropas do Afeganistão

Processo de paz em risco no Afeganistão

ONU aprova resolução destinada a assinalar genocídio de Srebrenica