Última hora
This content is not available in your region

Acordo ou nada. Os últimos dias do Brexit

euronews_icons_loading
Acordo ou nada. Os últimos dias do Brexit
Direitos de autor  Kirsty Wigglesworth/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Cada semana que começa leva o selo de decisiva para o Brexit. Tem sido assim nos últimos tempos, mas à medida que o fim do período de transição se aproxima, a expressão ganha uma dimensão de urgência.

Desta vez, Londres chama-lhe "a última semana decisiva" de negociações. As palavras são do ministro britânico dos Negócios Estrangeiros.

Michel Barnier, o negociador da União Europeia, passou o fim de semana em Londres. Negociações com a equipa liderada por David Frost com vista a um acordo que regule as relações entre o bloco europeu e o Reino Unido depois de 31 de dezembro.

Na mesa está mais do que um acordo comercial, mas é este o âmbito de todas questões pendentes: regras de concorrência, padronização e acesso a águas britânicas para Pesca.

O ministro britânico do Negócios Estrangeiros acredita que será possível um acordo, mas espera que seja a União Europeia a ceder.

"Se olharmos realmente para quais são as questões pendentes, há claro a concorrência, mas parece que há progressos no sentido de um maior respeito pela posição do Reino Unido. Quanto às Pescas, há uma questão de princípio: ao terminarmos a transição da União Europeia, vamos ser um estado costeiro independente; temos de ser capazes de controlar as nossas águas," diz Dominic Raab.

Os "27" querem poder continuar a pescar em águas britânicas. O Reino Unido tem insistido que quer ter tanto o controlo de acesso, como das quotas de pesca.

Sem acordo, 2021 vai trazer uma realidade amarga para as relações entre Bruxelas e Londres, com imposição de taxas aduaneiras e limites comerciais literalmente de um dia para o outro. Uma realidade que vai penalizar os "27", mas sobretudo o Reino Unido que tem na União Europeia o principal cliente.