EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Amazónia perde 11 mil km2 de floresta num ano

Os incêndios têm proliferado nos últimos anos
Os incêndios têm proliferado nos últimos anos Direitos de autor Andre Penner/AP
Direitos de autor Andre Penner/AP
De  Teresa Bizarro com AP, EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É o valor mais alto dos últimos 12 anos

PUBLICIDADE

A destruição da floresta amazónica atingiu o valor máximo dos últimos 12 anos. Entre agosto de 2019 e julho deste ano desapareceram mais de 11 mil quilómetros quadrados do pulmão do mundo - uma área maior do que a do Líbano ou da Jamaica. Os dados oficiais foram divulgados esta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE).

Cálculos preliminares que confirmam a tendência para um aumento do desmatamento, mas que supreenderam os cientistas. "A estimativa era ainda mais negativa do que os resultados que apresentamos," referiu Hamilton Mourão, vice-presidente do INPE, lembrando que as previsões iniciais apontavam para um aumento de 20% e ficou-se pelo 9,6%. "Não é um número para celebrar, pelo contrário" garante, acrescentado que objetivo é que "não haja qualquer desflorestação ilegal na Amazónia".

Este relatório analisa pela primeira vez um período totalmente sob responsabilidade de Jair Bolsonaro, que tomou posse em Janeiro de 2019.

O presidente brasileiro tem sido criticada por ambientalistas e alguns governos europeus por defender a exploração dos recursos naturais na Amazónia, incluindo nas reservas indígenas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um mural feito com as cinzas da Amazónia

Em mais de 30 anos o Brasil perdeu 15% dos recursos hídricos

Fogos na Amazónia tornam Manaus irrespirável