Última hora
This content is not available in your region

Centros de vacinação em massa em Berlim

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Centros de vacinação em massa em Berlim
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Grandes infraestruturas de Berlim estão a ser transformadas em centros de vacinação. Uma arena vai acolher um dos seis pontos de vacinação que vão ser instalados na capital alemã, no espaço de poucas semanas. Todos os dias, mais de 3.400 pessoas vão dar entrada neste espaço para receber a vacina que promete a imunização contra a COVID-19.

Os trabalhos já está em andamento no interior do edifício. Foram preparados 80 cubículos para aplicação da vacina. As pessoas devem vir preparadas para trinta minutos de espera e para uma segunda dose 21 dias depois.

A secretária de Saúde de Berlim, Dilek Kalayci, diz que o centro vai estar operacional durante quatro meses e meio, para a primeira fase de vacinação: "A primeira fase deve ter lugar prioritariamente nos centros de vacinação, porque esta vacina, é complexa e requer condições especiais de armazenamento. Isso significa que não é possível proceder à vacinação no sistema de saúde tradicional.”

A vacina da Pfizer-BioNTech deve ser armazenada a -70°C e será mantida num local secreto antes do transporte. Trata-se de um projeto no valor de 200 milhões de euros que vai precisar de, aproximadamente, 3 mil funcionários nos seis centros de Berlim.

As primeiras pessoas que serão vacinadas são profissionais de saúde e pessoas pertencentes a grupos de risco - que serão contatadas individualmente por correio.

As cartas estão prontas, as instalações estão prontas. Podemos enviá-las a qualquer momento. Também temos um sistema de agendamento através de uma central de atendimento, uma linha direta, mas os agendamentos também podem ser feitos online. E, claro, estamos a contar com a boa vontade da população de Berlim para ser vacinada.
Dilek Kalayci
Secretária de Saúde de Berlim

Há um trabalho gigantesco pela frente. Falta agora a luz verde do governo para preencher as prateleiras vazias e começar a vacinar a população contra a COVID-19.