Última hora
This content is not available in your region

Líderes europeus aprovam fundo de resposta à pandemia

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Líderes europeus aprovam fundo de resposta à pandemia
Direitos de autor  Olivier Hoslet/AP
Tamanho do texto Aa Aa

Impasse resolvido em Bruxelas. Os líderes da União Europeia conseguiram chegar a um acordo sobre a aprovação do orçamento e pacote de estímulos no valor de 1,8 biliões de euros**para dar resposta à pandemia.**

O impasse com a Polónia e com a Hungria que colocava em causa este acordo histórico está finalmente resolvido. Budapeste e Varsóvia tinham feito uma ameaça de veto por se oporem ao novo mecanismo de Estado de direito.

Confrontados com a possibilidade de ficarem de fora do pacote de resposta à crise, foi encontrado um meio-termo e os dois países decidiram aceitar a proposta para evitar divisões no núcleo da União Europeia.

Poderíamos dizer modestamente, é claro, que salvámos a união do bloco europeu. É preciso não esquecer que este conflito não era apenas sobre o estado de direito, regulamentação, questões financeiras, era sobre o futuro da União Europeia. Este foi apenas um passo. Ainda há mais um obstáculo difícil que é ratificação deste acordo pelo parlamento nacional.
Viktor Orban
Primeiro-ministro da Hungria
Lutamos pelos nossos direitos, lutamos pela clareza, lutamos pela certeza da justiça e lutamos pelos tratados, para que não sejam contornados por leis secundárias. E tudo isso foi possível graças à nossa cooperação.
Mateusz Morawiecki
Primeiro-ministro da Polónia

As instituições europeias respiraram de alívio. O presidente do Conselho Europeu Charles disse nas redes sociais que agora é possível dar início à implementação e reconstruir as nossas economias.

Palavras semelhantes da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Que destacou o avanço da Europa e o fundo para "construir uma União Europeia mais forte, mais verde e mais digital".

Os 27 também consideram impor mais sanções à Turquia pela exploração de hidrocarbonetos e pela conduta do país no mar Mediterrâneo.