Falta de água está a matar a reserva de Las Tablas de Daimiel

Falta de água está a matar a reserva de Las Tablas de Daimiel
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A escassez de água está a matar um dos ecossistemas mais ricos da Península Ibérica. A Reserva de Las Tablas de Daimiel está a desaparecer.

PUBLICIDADE

A escassez de água está a destruir um dos ecossistemas mais singulares da Europa.

Las Tablas de Daimiel, área classificada Reserva da Biosfera, pela UNESCO. Situada, na metade suldo território espanhol, é uma zona húmida única de escala obrigatória para as aves migratórias.

A deterioração deste "paraíso" é evidente, aos olhos de Julio Escuderos, o último pescador desta área.

"Aqui costumava-se entrar no parque quando a água era boa, o Guadiana era bom, a pesca era boa, os caranguejos eram bons, e era uma bênção passar por aqui", lembra.

Para que o parque recupere o seu esplendor, como o recorda Julio, seria necessária água suficiente para encher mais de 1.300 grandes estádios de futebol.

A degradação afeta também a indústria do turismo. Dario Rodriguez, gestor da empresa Ecodestinos fala de uma redução progressiva da atividade: "Ainda temos clientes porque lidamos com o ecoturismo há muitos anos, mas, por exemplo, o número de empregados ou atividades que podem ser desenvolvidas foi reduzido".

De toda a área inundável do parque, menos de um quinto está ainda coberta por água.

O repórter da Euronews, Carlos Marlasca lembra a política europeia da Água: "A Espanha tem até 2027 para cumprir a chamada Directiva-Quadro da Água da União Europeia, que apela à sustentabilidade da água. Este é um dos lugares onde as medidas mais urgentes são necessárias para alcançar esse objetivo".

Todos os peritos apontam a sobre-exploração agrícola como a principal causa da situação. O setor afirma ter reduzido o uso de água.

Jesús Pozuelo diz quais são as culturas que consomem a água: "Temos vinhas e temos culturas lenhosas, tudo isto é irrigado com sistema gota-a-gota, com a água que a Confederação Hidrográfica do Guadiana nos atribui todos os anos".

Os ecologistas defendem que é inevitável parar as culturas que bebem dos aquíferos subterrâneos, sob pena de se pagar um preço elevado. José Manuel Hernández é porta-voz regional do grupo "Ecologistas en Accion"

"No meio da pandemia do coronavírus, muitos peritos e cientistas dizem que este é apenas um sintoma de deterioração ambiental e que as consequências da deterioração dos ecossistemas vão muito mais além. Mas a curto prazo e para que todos compreendam, o passo seguinte poderá ser a escassez de água para abastecimento", alerta.

Os sinais são evidentes. O tempo está a esgotar-se para resgatar um dos grandes tesouros naturais da Península Ibérica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Incêndio de grandes dimensões consome prédio residencial de 14 andares em Valência

Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha