Última hora
This content is not available in your region

Visitar Berlim sem sair do sofá

euronews_icons_loading
Visitar Berlim sem sair do sofá
Direitos de autor  Euronews-Kate Brady
Tamanho do texto Aa Aa

"Bom dia de Berlim. Sou o Jeremy e há 20 anos que faço visitas guiadas. Estamos na porta de Brandemburgo, são nove da manhã, o sol acabou de nascer e está um lindo dia": É assim que Jeremy Minsberg, um americano em Berlim, se apresenta nestas visitas guiadas pela capital alemã, que continua a fazer, com a diferença de que agora é tudo virtual. Assim faz com que as pessoas viajem sem sair do sofá.

"Em março, de repente, as visitas guiadas e tudo o resto parou por causa do coronavírus. As pessoas deixaram de viajar. Então, pensei: Se as pessoas não podem vir a Berlim, porque não levar Berlim até elas?", conta Jeremy.

Através de uma videochamada, durante duas horas, as pessoas fazem um passeio pela capital alemã em que visitam partes importantes da história, como a Segunda Guerra Mundial, a guerra fria ou a história judaica. Tal como numa visita verdadeira, podem colocar questões ao guia.

O setor do turismo, na Alemanha, teve perdas de 46,6 mil milhões de euros, só entre março e agosto deste ano. Mas nenhuma região alemã foi tão afetada pela pandemia de Covid-19 como Berlim.

Uma ideia que pode durar

Estas visitas não ajudam os hotéis e restaurantes encerrados, mas melhoram o estado de espírito de muitos que estão fechados em casa. Diz Jeremy Minsberg: "As pessoas estão presas em casa, sem terem para onde ir e sem poderem ter a sensação de aventura. Formaram-se grupos de pessoas que disseram que se não podem fazer coisas juntas, podem pelo menos participar juntas em eventos. Assim, tornei-me um evento. Ajudei as pessoas a ficar juntas, a sair de casa e viajar".

Estas visitas são particularmente populares na Austrália e na Nova Zelândia, com grupos de 20 a 30 pessoas a participar de cada vez. Jeremy quer fazer com que esta ideia vingue para além da pandemia e possa continuar a dar a conhecer Berlim às pessoas que, por alguma razão, não podem viajar.

No entanto, esta não deixa de ser, acima de tudo, uma solução temporária, até a pandemia desaparecer e a liberdade de viajar voltar, para alívio dos turistas e de todos os profissionais do setor, a passar por um dos momentos mais delicados de sempre.