Última hora
This content is not available in your region

Costa modera expectativas sobre vacinação

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro com Lusa
euronews_icons_loading
O encontro de Carles Michel com António Costa, no CCB, em Lisboa, marcou formalmente o arranque da presidência portuguesa
O encontro de Carles Michel com António Costa, no CCB, em Lisboa, marcou formalmente o arranque da presidência portuguesa   -   Direitos de autor  Armando Franca/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A vacinação de todos os europeus vai prolongar-se até ao fim do ano. O primeiro-ministro português quis moderar as expectativas sobre a capacidade de distribuição da substância. Esta terça-feira, no final da reunião com o presidente do Conselho Europeu, António Costa sublinhou que não é só a Covid-19 que é preciso travar.

"O medo é aquilo que mais alimenta o populismo. Se queremos combater o populismo de forma eficaz, temos de dar confiança aos cidadãos - confiança perante aquilo que são os receios", sustentou na conferência de imprensa que decorreu no Centro Cultural de Belém, sede da presidência portuguesa da União Europeia, em Lisboa. Para António Costa, uma das vacinas contra o medo passa pela existência "de um pilar social forte" na União Europeia, que dê prioridade "às qualificações e às requalificações dos cidadãos".

Em relação às medidas para conter a pandemia, o primeiro-ministro português pediu que se moderem as expectativas dos cidadãos em relação às vacinas, salientando que o plano de vacinação abrange 450 milhões de europeus e "acompanhará todo o ano de 2021."

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considera no entanto que a capacidade que a União Europeia demonstrar para "distribuir a vacina de forma eficaz é condição essencial para uma retoma económica e social".

Charles Michel e António Costa encontraram-se em Lisboa, no Centro Cultural de Belém. O espaço foi depois palco de um concerto que juntou fadistas como Camané, Ana Moura e Carminho à Orquestra Sinfónica do Teatro Nacional de São Carlos, sob a batuta da maestrina Joana Carneiro.