Futuro de Donald Trump em aberto

Futuro de Donald Trump em aberto
Direitos de autor John Minchillo/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor John Minchillo/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente perde alguns dos principais aliados

PUBLICIDADE

Sem o apoio de muitos republicanos e depois da confirmação oficial da vitória de Joe Biden, Donald Trump prometeu uma "transição ordeira". 

O que aconteceu em Washington e as críticas sobre o envolvimento de Trump, levantaram grandes questões sobre o futuro do ainda presidente. Uma das primeiras consequências foi o o abandono politico dos principais aliados.

Os principais críticos de Donald Trump acusam-no de dividir o país e o partido. 

Thomas Gift, professor de Ciência Política da Universidade Colégio de Londres,  lembra que o inquérito da Yougov divulgado esta manhã indica que "mais de 45% dos republicanos aprovam fortemente ou de alguma forma a tempestade no edifício do Capitólio". 

Para o professor, trata-se do segmento da direita americana que "apoia Trump de forma incansável, que acredita nas suas falsas alegações de fraude eleitoral e que é extremamente ativo".

 É também o segmento da direita americana que, lamentavelmente, muitos políticos republicanos têm tanto medo de alienar, e é um segmento da população que pode continuar a apoiar as ambições políticas de Donald Trump mesmo depois de ele deixar o cargo", acrescenta Thomas Gift.

Depois da invasão do Capitólio, vários conselheiros de Donald Trump e da primeira-dama pediram a demissão. Entre eles o conselheiro adjunto para a segurança nacional e o chefe de gabinete de Melania Trump.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"

Zelenskyy: "Temos de obrigar Putin a admitir o óbvio: a guerra não lhe trará resultados"