Última hora
This content is not available in your region

Vacinas tardam a chegar à Ucrânia

euronews_icons_loading
Covid-19 na Ucrânia
Covid-19 na Ucrânia   -   Direitos de autor  Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A braços com números crescentes de infeções, os médicos ucranianos esperam que a campanha de vacinação marque o regresso do país à normalidade.

No entanto, o governo ainda não anunicou uma data para o início da campanha.

"Esperamos que a vacinação marque o final da pandemia e que os médicos especialistas que agora tratam os pacientes de Covid-19 possam regressar às suas especialidades que praticaram toda a vida", afirma Vitaly Sokolov, um cirurgião torácico que trata agora de pacientes de Covid-19 num hospital em Kiev.

O país já ultrapassou o milhão de infeções e o número de mortos passa dos 21 mil numa população que alcança os 40 milhões.

As autoridades asseguram que a campanha pode ter início a meio de fevereiro mas tardam em avançar com uma data concreta.

"Hoje estamos a negociar praticamente todas as semanas a assinatura de contratos com as empresas e a receção pela Ucrânia de todas as vacinas adquiridas pela União Europeia", defendeu Olga Stefanichyna, vice primeira-ministra para a Integração Europeia.

De momento o país assegurou apenas 8 milhões de doses da vacina Covax no âmbito de um programa da ONU juntamente com 1,5 a 5 milhões de doses da vacina chinesa, Coronavac, caso a sua eficácia se confirme.