Repressão sangrenta de protestos no Myanmar

Polícia anti-motim em Rangum
Polícia anti-motim em Rangum Direitos de autor AP/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Manifestantes denunciam uso de munições reais pelas autoridades e há registo de mortos em vários pontos do país

PUBLICIDADE

Vários mortos, dezenas de feridos e centenas de detidos no dia mais sangrento no Myanmar, desde o início das manifestações pró-democracia, contra o golpe de Estado militar de 1 de fevereiro.

Com novos protestos num grande número de cidades no país, a polícia - apoiada pelo Exército - intensificou o uso da força para dispersar os manifestantes, com recurso a gás lacrimogéneo, canhões de água, balas de borracha e, segundo testemunhos, munições reais.

Um dos piores balanços chegou da cidade costeira de Dawei, onde há registo de pelo menos três mortos e duas dezenas de feridos. Mas há também relatos da morte de manifestantes noutros pontos do país, nomeadamente na maior cidade do país.

Em Rangum, participantes nos protestos acusam a polícia de "disparar" contra os manifestantes "sem qualquer aviso".

Entre os detidos e feridos nos protestos deste domingo encontram-se vários jornalistas.

O embaixador do Myanmar na ONU foi demitido pela junta militar, depois de defender publicamente o governo derrubado pelo golpe de Estado.

Outras fontes • The Irrawaddy

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As notícias do dia | 27 fevereiro 2024 - Manhã

Parlamento húngaro ratifica candidatura da Suécia à NATO

As notícias do dia | 26 fevereiro 2024 - Tarde