Última hora
This content is not available in your region

A igualdade de género e criminalização da violência contra mulher em África

De  Neusa Silva
euronews_icons_loading
Rosalina Nhachote, Conselheira ONU Mulheres - Moçambique
Rosalina Nhachote, Conselheira ONU Mulheres - Moçambique   -   Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A União Africana adotou em março uma posição comum para promover a participação plena e efetiva das mulheres na tomada de decisões, mas ainda há muito trabalho pela frente.

A Euronews convidou a Conselheira da ONU Mulheres de Moçambique, Rosalina Nhachote, para falar sobre os desafios da mulher africana nos dias de hoje.

A nossa convidada começa por esclarecer até que ponto as questões culturais esbarram na implementação da legislação sobre igualdade de género e proteção das vítimas de violência institucional e doméstica.

De acordo com a conselheira da ONU Mulheres de Moçambique, a violência doméstica e o assédio sexual são dois dos principais fatores que impedem o acesso ou a permanência da mulher no mercado de trabalho formal:

“Um dos grandes desafios que nós temos dentro do setor de trabalho é lidar com questões sobre assédio sexual no local de trabalho, porque depois estas questões são muito enfraquecidas pela questão da prova, ou seja eu sou assediada e eu tenho que gerar prova.”

Referiu ainda que a última atualização do barómetro de género a nível da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral aponta para um retrocesso de, pelo menos, 5 anos em questões de salvaguarda dos direitos das mulheres.

“O nosso país, em particular, foi fustigado por ciclones e ainda estamos no processo de recuperação destes ciclones. E vimos que as mulheres foram as maiores vítimas. Algumas delas tiveram até casos de assédio para terem acesso à própria comida nos centros de acolhimento.”