EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Polónia e Hungria contestam na justiça mecanismo de fundos europeus

Polónia e Hungria contestam na justiça mecanismo de fundos europeus
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os dois países entraram com uma ação no Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) para contestar o mecanismo que condiciona o acordo dos fundos europeus ao respeito pelas regras do estado de direito

PUBLICIDADE

A Polónia e a Hungria anunciaram esta quinta-feira que entraram com uma ação no Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) para contestar o mecanismo que condiciona o acordo dos fundos europeus ao respeito pelas regras do estado de direito.

“Consideramos que este tipo de soluções não tem fundamento nos Tratados, são uma ingerência nas competências dos Estados-membros [da UE] e violam a legislação da União Europeia”, afirmou num comunicado oficial o Governo polaco.

“A UE não tem competência para definir o conceito de Estado de direito”, insiste o Governo polaco na nota publicada no seu portal oficial.

“Esta legislação da UE, que constitui uma violação grave da lei, não pode continuar em vigor”, comentou a Ministra da Justiça húngara, Judit Varga, numa mensagem publicada na rede social no Facebook, anunciando o processo judicial.

"A Hungria e a Polónia intentam ações perante o TJUE contra o mecanismo que condiciona ao cumprimentos do Estado de direito os pagamentos da UE", escreveu o tribunal comunitário, com sede em Luxemburgo, na sua conta na rede social Twitter.

A Polónia e a Hungria, ambas regularmente acusadas de violar o Estado de direito, anunciaram que iriam entrar com uma queixa no Tribunal de Justiça da União Europeu contra este mecanismo orçamental adotado em dezembro.

Os Estados-membros aceitaram, no final de uma cimeira da UE, que o dispositivo não deveria ser implementado antes que o Tribunal de Justiça Europeu se pronunciasse sobre a sua validade em caso de recurso de anulação por um Estado-membro.

Esta declaração foi feita para que Budapeste e Varsóvia suspendessem o seu veto ao plano de recuperação.

Os dois países concordaram em alinhar com os demais membros da UE para permitir a implementação do plano de recuperação europeu (750 mil milhões de euros) e do orçamento 2021-2027, que foi endossado pela Hungria e Polónia.

A ajuda europeia beneficia largamente os dois países.

Os fundos europeus representaram em 2019 cerca de 3,3% do produto nacional bruto da Polónia e 4,48% da Hungria.

Após a ação legal polaca anunciada hoje, as potenciais sanções financeiras entrarão em vigor após uma esperada decisão do Tribunal de Justiça Europeu, que leva em média um ano e meio.

A Hungria de Viktor Orbán, em guerra aberta com Bruxelas pelo respeito aos valores europeus, poderia escapar das sanções até as eleições legislativas de 2022. Mais do que a Polónia, cujas eleições não estão marcadas até 2023.

Se não houvesse queixas, o novo mecanismo poderia ser usado com efeito imediato.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia vai receber dinheiro do Fundo europeu de Recuperação

Hungria inicia campanha com vacina russa

Ameaças da Rússia preocupam flanco leste da NATO