Última hora
This content is not available in your region

Arte à porta de casa

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Arte à porta de casa
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Obras de arte, pinturas e quadros. As áreas comuns deste edifício de apartamentos da cidade italiana de Turim foram decoradas como se de uma galeria de arte se tratasse.

A ideia é de dois artistas que vivem no prédio e são conhecidos como os Coniglio Viola, ou Coelho Púrpura. Eles decidiram dar uma nova vida a um edifício que foi negligenciado durante décadas.

"Propus, aos outros inquilinos e proprietários, utilizar as áreas comuns deste edifício, disponibilizando-a a jovens artistas. Estamos a convidá-los a viverem aqui por um curto período de tempo, convertendo o edifício num museu e abrindo-o à cidade", refere um dos promotores, o artista, Brice Coniglio.

A residente Luisella Carnelli conta: "Vivo neste edifício há pouco mais de um ano, e cheguei aqui quando o processo de regeneração, iniciado por Brice, já tinha começado. Na verdade, esta foi uma das razões que me levou a decidir vir para cá. Quando abro a minha porta, ou desço as escadas, esbarro com obras de arte".

Se as pessoas não podem ir a museus e galerias para apreciar arte, porque não levar a arte até elas - literalmente até à sua porta? Alguns artistas que vivem neste edifício pensaram que era uma boa ideia - uma forma de trazer alegria para os locais onde as pessoas vivem e tornar as suas vidas mais suportáveis durante a pandemia.

Após um anúncio público internacional, a exposição recebeu candidaturas de cerca de 400 artistas de todo o mundo. As obras foram selecionadas por residentes e peritos, dando corpo à mostra "Vizinhos simpáticos", que ganhou vida em novembro.

"Numa época muito difícil, em que todos nós devemos ficar fechados nas nossas casas, queríamos que a exposição 'Vizinhos simpáticos' fosse um lugar de bondade e beleza e, portanto, de arte", conclui Brice Coniglio.

Enquanto todos museus em Itália têm de estar em linha para chegar ao público, este é o único que pode ser visitado pessoalmente, durante a pandemia, servindo de inspiração para projetos semelhantes na Europa.