EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Porque temos medo das vacinas contra a covid-19?

Porque temos medo das vacinas contra a covid-19?
Direitos de autor Ben Curtis/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Ben Curtis/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Bruno SousaLena Roche
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Euronews fala com especialista alemão que explica o processo que nos leva a recear as vacinas contra a covid-19

PUBLICIDADE

A Agência Europeia dos Medicamentos garante que a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 é segura mas a possibilidade de estar associada ao aparecimento de coágulos sanguíneos fez soar os alarmes na Europa. Apesar das garantias, o medo e as dúvidas continuam presentes entre a população.

A euronews falou com Borwin Bandelow, psiquiatra e investigador alemão, para compreender o fenómeno:

"Temos mais medo de uma nova ameaça, especialmente se for vista como incontrolável, do que dos perigos que já conhecemos. Há um ano tivemos o coronavírus, pouco a pouco habituámo-nos e a nossa perceção do risco já é quase normal. Agora temos medo das vacinas porque são uma novidade. Também ajuda o facto de termos de desempenhar um papel ativo para nos vacinarmos. É uma decisão que é nossa, que ninguém pode tomar por nós. Se contraíssemos o coronavírus, era o destino, mas se formos vacinados, a responsabilidade é toda nossa."

Perante uma nova ameaça, o instinto sobrepõe-se ao lado racional, o que leva inevitavelmente a erros de julgamento. Para o psiquiatra, não há nenhum motivo particular para temermos as vacinas contra a covid-19:

"Temos dois sistemas no cérebro, aquela que controla o medo é simples e primitiva, está talvez ao nível de uma galinha e não é muito boa a processar estatística. Por outro lado, temos um sistema racional, que percebe os números e a estatística razoavelmente bem. Depois de algum tempo, a mente racional vai se sobrepor novamente, o que quer dizer que em quatro semanas, toda a agitação em torno de possíveis efeitos secundários terá diminuído consideravelmente."

Enquanto o nosso cérebro racional não se sobrepõe, ajuda perceber que a esmagadora maioria das pessoas vacinadas não tem qualquer problema.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Problemas com vacina da AstraZeneca "não são inesperados"

Polícia alemã ataca grupo extremista antissistema

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo