EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Laranjas amargas usadas para produzir eletricidade

Laranjas amargas usadas para produzir eletricidade
Direitos de autor screengrab AP
Direitos de autor screengrab AP
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Empresa municipal de águas de Sevilha está a desenvolver um projeto-piloto para reciclar o fruto de pouca utilidade das laranjeiras urbanas para produção de energia

PUBLICIDADE

A Andaluzia, no sul de Espanha, tal como o Algarve, em Portugal, é um paraíso para as laranjas e março é uma das épocas para a apanha. Em Sevilha, agora é também época para um novo processo autossuficiente de produção energética a partir de biogás contido no sumo de laranjas amargas.

As laranjeiras existentes nas vias públicas sevilhanas davam até agora pouco mais do que cor e aroma à cidade. Acabavam por ser, aliás, uma fonte de resíduos nas ruas da cidade andaluz quando caíam das árvores.

Agora, além de terem as cascas e outras partes reutilizadas para compostagem, as laranjas amargas estão também a ser utilizadas como fonte de energia limpa na região.

"É um processo muito simples", começa por garantir o diretor do departamento ambiental da Emasesa, a empresa metropolitana de abastecimento e saneamento de águas de Sevilha.

Benigno Lopez explica que "50% da laranja é sumo". "Do sumo geramos um gás rico em metano que utilizamos para produzir energia através de um motor de cogeração. Não requer nenhum tipo de aditivo, é ambientalmente controlado, fecha a economia circular de um resíduo urbano e, além disso, supõe que esta instalação contribua para mitigar as alterações climáticas pela autossuficiência energética", concretiza o diretor da Emasesa.

O projeto-piloto a decorrer em Sevilha estima que uma tonelada de laranjas andaluzes permita gerar eletricidade suficiente para cinco habitações por dia e este ano estava prevista uma colheita de quase seis toneladas nas ruas da cidade, um aumento de 37,5% em comparação com a mesma altura, um ano antes, informou a autarquia sevilhana.

Da mera utilidade para compotas, muito apreciadas por exemplo no Reino Unido, as laranjas amargas de Sevilha passam a ser agora também uma fonte de energia elétrica limpa, amiga do Planeta e já a ser utilizada pela estação municipal de tratamento de águas residuais El Copero.

A Emaesa tem em curso diversos projetos com a ambição de se tornar um centro ambiental de referência em Espanha e, através do reaproveitamento de diversos resíduos orgânicos, terá gerado só em 2020 energia elétrica suficiente para autoabastecer-se com o equivalente ao consumo energético anual de quase 5.800 habitações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE atualiza sistema de rotulagem energética

Pandemia agrava pobreza energética na UE

Novo naufrágio perto de Tenerife faz pelo menos 5 mortos. 68 migrantes foram resgatados com vida