Última hora
This content is not available in your region

Países exigem data para fim de carros com motor de combustão na UE

De  Isabel Marques da Silva  & Sandor Sziros
euronews_icons_loading
Países exigem data para fim de carros com motor de combustão na UE
Direitos de autor  DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Há uma batalha em curso entre políticos, ambientalistas e industriais sobre o momento em que devem deixar de circular veículos com motor de combustão interna na Uniao Europeia.

Nove Estados-membros (Países Baixos, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Grécia, Malta, Irlanda, Lituânia e Luxemburgo) enviaram uma carta à Comissão Europeia, no início de março, a pedir que estabeleça um calendário claro.

O executivo comunitário disse que será antes de 2050, mas continua a ser vago: "Estamos a trabalhar em estreita colaboração com a indústria e todas as partes interessadas para avançar na direção de uma mobilidade muito mais limpa na Europa", disse Tim McPhie, porta-voz da Comissão Europeia à euronews.

"Não definimos uma data final para quando é que isso acontecerá. Obviamente, temos em conta que o ciclo de vida destes veículos é de dez a 15 anos. Portanto, temos uma perspectiva de quando essa transição ocorrerá", acrescentou.

Diminuir a emissão de gases poluentes exige grande investimento

O setor de transportes é responsável por 25% das emissões poluentes que causam alterações climáticas. Os veículos deverão passar, progressivamente, a usar fontes de energia que não emitam dióxido de carbono nem outros gases poluentes, como acontece, atualmente, com a gasolina e o gasóleo.

Uma transição que requer muito investimento da industria automóvel, agora a braços com uma quebra de quase um quarto das vendas na Europa, por causa da pandemia.

A euronews tentou falar com representantes da indústria automóvel e eurodeputados alemães que se opõem ao plano, mas não se mostraram disponíveis.

A Alemanha tem uma das maiores indústrias automóveis do mundo e defende que a Europa deve fazer uma transição suave. Isto é, que não seja um rombo no cofres do Estados e nos bolsos dos consumidores, alerta Dániel Zách, jornalista do totalcar.hu, um website húngaro especializado no setor automóvel.

"Os novos carros são caros, estão cada vez mais caros. É um fator importante para os consumidores saberem se podem comprar um novo Volkswagen por 15 mil euros ou por 20 mil euros. Até que esse fator seja bem ponderado, uma data precisa para a transição também será pouco clara", explicou Dániel Zách.

Nova norma ou mais teletrabalho?

A Comissão Europeia deverá atualizar, ainda este ano, a norma Euro 6 para Euro7, sobre tetos máximos de emissões dos automóveis, para entrar em vigor em 2025.

Mas medidas como o teletrabalho também poderiam reduzir a poluição, defende Dániel Zách: "Isso poderia ter um melhor resultado e não desintegraria o mercado automóvel como deverá acontecer com os novos padrões do Euro6 e Euro7, que contêm apenas considerações de engenharia limitadas".

A transição poderá acelerar quando os preços dos carros elétricos forem realmente competitivos. A União Europeia pretende ser um dos campeões mundiais na produção baterias mais sofisticadas.