EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bolsonaro faz grande remodelação no governo do Brasil

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na pior semana da luta contra a pandemia, Bolsonaro faz remodelação governamental e substitui os ministros da Justiça, Defesa e Negócios Estrangeiros

PUBLICIDADE

No meio da pior semana da luta contra a Covid-19, o presidente do Brasil fez uma remodelação governamental. Uma dança de cadeiras, com mudanças nas pastas chave como a Justiça, a Defesa e os Negócios Estrangeiros.

O anúncio apanhou de surpresa a maioria dos observadores, já que o único ministro que se esperava que saísse era o chefe da diplomacia, Ernesto Araújo, que estava sob fortes críticas por bloquear as importações de vacinas, devido às más relações com a China.

Nesta remodelação saem vários membros da presidência para pastas ministeriais. Walter Braga Neto deixa a Casa Civil para ocupar o cargo de ministro da Defesa; Ernesto Araújo é substituído nos Negócios Estrangeiros por Carlos Alberto França; na Justiça, Anderson Torres substitui André Mendonça que para a Advocacia-Geral da União.

Bolsonaro entra na segunda metade do seu mandato bastante enfraquecido e criticado por todos os setores da sociedade devido à gestão caótica da crise sanitária.

A pandemia, que já cobrou cerca de 320 mil vidas no Brasil. O país registou 2500 mortes por dia na última semana.

Ao entrar na segunda metade do seu mandato de quatro anos, Bolsonaro está sob pressão crescente do parlamento, com críticas de todos os lados por causa da sua gestão caótica da crise sanitária.

O Brasil é o segundo país do mundo mais afetado depois dos Estados Unidos, com quase 314.000 vidas perdidas devido ao vírus e uma média de mais de 2.500 mortes por dia na última semana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil, uma corrida às vacinas e à comida

Chefes militares brasileiros demitem-se em bloco

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas