Última hora
This content is not available in your region

OMS não chega a conclusões sobre a origem do Sars-Cov2

euronews_icons_loading
OMS não chega a conclusões sobre a origem do Sars-Cov2
Direitos de autor  HAZEM BADER/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

Um dos grandes desafios da pandemia da Covid-19, que já matou cerca de 2,8 milhões de pessoas em todo o mundo, é o conhecimento da origem do vírus, mas tudo indica que não será para breve. O relatório da Oganização Mundial da Saúde (OMS) não resolve essa questão.

O documento de 124 páginas revela que tanto a OMS quanto a China supõem que o Sars-Cov2 foi provavelmente passado aos seres humanos por um morcego através de um animal intermediário. Certezas não há. Há vários animais candidatos incluindo martas, pangolins, coelhos, texugos e furões.

Após uma investiação pautada atrasos e disputas diplomáticas, os investigadores praticamente excluíram que o vírus possa ter tido origem num laboratório chinês e a teoria de Pequim de que o vírus não teve origem na China, mas foi importado em alimentos congelados, foi julgada "possível" mas "muito improvável".

A OMS ainda não se comprometeu com estas conclusões, como deixa entender o diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus: "Vamos ler o relatório, digerir o seu conteúdo e discutir os próximos passos com os estados membros. Mas, como já disse, todas as hipóteses estão sobre a mesa e merecem estudos completos e posteriores a partir do que vi até agora".

O relatório era esperado com grande espetativa, uma vez que a descoberta das origens do vírus poderia ajudar os cientistas a prevenir futuras pandemias mas revela-se pouco produtivo nesse sentido.