Última hora
This content is not available in your region

Pequim reforça poder eleitoral sobre Hong Kong

euronews_icons_loading
Pequim reforça poder eleitoral sobre Hong Kong
Direitos de autor  Vincent Yu/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Menos democracia em Hong Kong. Pequim deu início a uma reforma eleitoral na região semiautonoma que vai impedir a oposição de chegar ao poder. O presidente chinês Xi Jinping promulgou a reforma do sistema eleitoral de Hong Kong, adotado por unanimidade pelo comité permanente do parlamento chinês. A Assembleia da região não teve qualquer palavra sobre as alterações à sua lei fundamental.

Vamos poder introduzir patriotas na governação de Hong Kong.
Tam Yiu-chung
Delegado do comité permanente do parlamento chinês

Tam Yiu-chung, delegado do comité permanente do parlamento chinês, explica que "quando o sistema for melhorado, seremos capazes de impedir aqueles que são contra a China e que querem desestabilizar a região de participar no comité eleitoral e no conselho legislativo. Ficarão também impedidos de sabotar ou instigar. Vamos poder introduzir patriotas na governação de Hong Kong".

Depois de dois anos turbulentos, com a oposição nas ruas a denunciar o que chamou de enforcamento da democracia na antiga colónia britânica, o parlamento vai passar de 70 para 90 assentos, mas o número de deputados eleitos diretamente vai ser reduzido de 35 para 20.

O comité eleitoral, que também elege o chefe do executivo, vai selecionar os candidatos para 40 assentos. Os restantes trinta deputados serão escolhidos por grupos socioprofissionais, historicamente leais a Pequim.