Última hora
This content is not available in your region

Alexei Navalny aparece em tribunal

De  euronews
euronews_icons_loading
Alexei Navalny aparece em tribunal
Direitos de autor  AP/Babuskinsky District Court
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades russas apertam o cerco a Alexei Navalny e aos seus apoiantes.

O opositor de Vladimir Putin apareceu em tribunal, por videoconferência a partir da prisão.

Visivelmente mais fraco e abatido, Navalny rejeitou as acusações de um novo caso, onde é acusado de difamar um veterano da Segunda Guerra Mundial.

Entretanto os tribunais russos impuseram severas restrições à atividade do Fundo de Luta Contra a Corrupção de Alexei Navalny, incluindo a proibição de publicar na internet, organizar manifestações ou participar em eleições.

Caso a justiça considere a Fundação Anticorrupção "extremista", os ativistas ligados ao trabalho de Navalny poderão ser detidos e as contas bancárias do movimento congeladas.

A próxima audiência ocorre no dia 17 de maio.

O advogado Ivan Pavlov, afirma que "dizer que a Fundação Anticorrupção é uma organização extremista é dizer que a luta contra a corrupção prejudica, agora, a segurança nacional da Rússia".

Com a pressão das autoridades cada vez mais forte, os aliados de Alexei Navalny anunciaram que vão desmantelar a sua rede de gabinetes de campanha.

Numa mensagem, numa rede social, Leonid Volkov, um dos mais próximos colaboradores do rival de Vladimir Putin, afirmou que manter a rede de sedes de trabalho de Navalny, na sua forma atual é impossível.

Volkov está confiante de que as sementes de liberdade, que semearam nos últimos quatro anos, em toda a Rússia "irão germinar." A rede de sedes do trabalho de Navalny pode deixar de existir, "mas existem dezenas de políticos regionais poderosos e duros. Se tiverem milhares de apoiantes, existirão organizações políticas fortes e independentes que se envolverão em investigações e eleições, campanhas públicas e comícios".

Sabe-se, ainda, que foi instaurado um novo processo judicial contra Alexei Navalny e dois colaboradores sob a acusação de criarem uma organização que infringe os direitos das pessoas, um delito criminoso punível com até quatro anos de prisão.